Who's amoung us?

domingo, 28 de novembro de 2010

QUE COISA...

Vi, nesta semana, o drama dos pedidos de reintegração de posses, que vem acontecendo em João Monlevade, orquestrado pelo governo do Gustavo Prandini.

O buraco, digo buraco porque é onde a maioria está se enfiando, está bem mais embaixo. Tudo começou com a chegada do novo na cidade, o jovem Gustavo Prandini, do PV, conseguiu a prefeitura, após uma acirrada campanha. Veio cheio de energia, com boas idéias no princípio. Daí, diante da sua luta para se safar da cassação do mandato, por problemas na prestação de contas de campanha, e das disputas políticas orquestradas pelos tradicionais da cidade, perdeu foco, força e vem se escorregando na lama. Tem faltado neles a maturidade e a serenidade, extremamente necessárias aos ocupantes de cargos públicos.

Desde que retomou o timão sob suas mãos, tenho visto seu governo gastando muito mais energia na caça aos 'desafetos', do que no foco de sua gestão. O último e lamentável episódio tem sido o pedido deles de reintegração de posse de 261 permissões de uso, concedidas pela última gestão e que pode ter até algum fundo de razão, por parecerem políticas (Correção: Segundo informações recebidas depois da publicação desta nota, as 261 permissões de uso foram realizadas pelos três últimos prefeitos de Monlevade e, não, exclusivamente pelo último, Carlos Moreira. Peço desculpas ao Carlos Moreira e a todos leitores pelo erro).

Entretanto, a ação deles não tem sido clara e os indícios estão todos caindo em perseguição ao Jornal A Notícia, por causa de sua linha editorial independente. Ou seja, diante de possíveis erros dos políticos da oposição, aderiram aos erros e se jogaram na lama, com direito a patrocínio de 'imprensa' marrom, perseguições etc. Essa, por exemplo, de pedir a sede do Jornal A Notícia é deplorável. Jamais avalizaria qualquer ato contra a liberdade de expressão ou contra a imprensa, inclusive contra seus apoiadores. A tribuna da imprensa tem que ser livre para ouvir todas as manifestações, tanto coerentes ou não. O julgamento será sempre do público leitor. Mas trocar o ambiente da tribuna para ringue não dá.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

São aceitos comentários com autoria não identificada (anônimos), desde que não exponham ou citem nomes de pessoas ou instituições de formas pejorativa, caluniosa, injuriosa ou difamatória e mesmo que sejam expostos de forma subliminar ou velada.

Durante o período eleitoral, não serão publicados comentários que citem nomes de candidatos, nem de forma elogiosa, nem crítica.

Caso queira postar uma denúncia, é necessária a identificação do autor (nome completo e e-mail para contato), para que o comentário seja validado. Caso não possa se expor, envie um e-mail para a editoria (contatoitafq@yahoo.com.br), para que a denúncia seja apurada e certificarmos que há condições legais e justas para pautarmos uma postagem.

EM FASE EXPERIMENTAL: Os interessados que tiverem conta no Facebook e que não queiram seus comentários submetidos à moderação podem solicitar as suas inclusões no grupo de discussões "Filhos das Minas", ou, caso já seja participante dele, basta postar seu comentário diretamente no Facebook.