Who's amoung us?

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

À MARGEM DO BREJO



A SUJA

De acordo com o Diário de Itabira, de 27 de agosto, a Câmara Municipal de Itabira resolveu, após longos anos de completo silêncio e bem na época de eleições, dar um grito em defesa do meio ambiente: Querem agora promover uma Audiência Pública para debater a escassez de água na sede do município, devido ao rebaixamento dos lençóis freáticos nas minas circunvizinhas.

É óbvio que eles têm completa razão de debater, de discutir a fundo e de propor ações concretas para que a condicionante 12, definida após a Audiência Pública Ambiental, durante o Governo Jackson, seja atendida. Afinal, não é justo que nós, cidadãos que já pagamos caro por esse líquido essencial à vida, venhamos a arcar com mais aumentos, causados pelo bombeamento e tratamento de água vinda de mananciais mais distantes, depois do esgotamento das fontes atuais, porque a Vale as destruiu e lucrou muito com isso.


AS MAL-LAVADAS

O 'pobrema' é se a Vale resolve, também, abrir a boca. Desde que os parques municipais da Água Santa, Belacamp e Nova Vista foram completamente depredados, obras que custaram milhões de reais para a mineradora que fora obrigada a construí-los por causa das mesmas condicionantes, a Vale não se pronunciou, tampouco fez qualquer ingerência (pelo que sei), até porque não era mais da sua alçada.  Mas, certamente, os envolvidos nas obras, devem ter ficado danados da vida.

É óbvio que a mineradora sabe que, essas depredações, ocorreram por completo desleixo e incompetência da Prefeitura, nos governos de Ronaldo Magalhães e do João Izael, sob os olhares cegos dos vereadores, incluindo-se aí o presidente da casa, Neidson Freitas, que agora resolve correr atrás, 'coincidentemente' durante sua campanha para deputado federal.


E PARA FALAR QUE NÃO FALEI DAS FLORES
 
Então tá bom... Para não dizerem que sou radical, vamos dizer que a iniciativa da câmara de provocar a audiência pública sobre o fornecimento de água na cidade é essencial. É claro que é. Beleza... Mas, só por garantia de que estão, agora, falando sério, proponho que a audiência ocorra depois desta eleição. Que tal?


sábado, 28 de agosto de 2010

REGRAS ELEITORAIS

Pessoal,

Em cumprimento da lei eleitoral vigente, até que se conclua o processo deste ano, somos impedidos de postar aqui comentários sobre os candidatos sem autoria, ou seja, anônimos. Desta forma, somente aceitaremos os comentários sobre os candidatos, que sejam identificados com nome completo e e-mail, que serão conferidos antes da publicação.

Embora esta limitação possa parecer exagerada, é lei e, no meu entendimento, é fácil de ser atendida. Portanto, continuem postando aqui suas opiniões conosco, que teremos o maior prazer de publicá-las, de acordo com o que define a lei eleitoral. Consideramos super importante todas opiniões, de quaisquer tendências, e penso que são fundamentais para um amadurecimento da democracia.

Assim, coragem, caros navegantes! Mandem brasa nas suas opiniões e identifiquem-se.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

PÉROLAS DO FILHOS-DO-CAUÊ

Selecionei algumas pérolas registradas no primeiro ano do Filhos-do-Cauê.  Algumas postagens, pela qualidade dos textos, outras, pela previsão do cenário que se confirmou, outras ainda, pela própria irreverência. Não foi tarefa fácil, porque contabilizamos, até agora, 400 postagens, de 17 autores, que foram acessadas em mais de 61.000 visitas! Daí, perdôem-me se alguma legal passou despercebida, que, com certeza, deve ter ocorrido.

Como democrático que somos, procuraremos um jeito de selecionar as 10 melhores e colocá-las numa enquete, para que você, leitor, opine. Caso encontrem outra postagem que mereça ser incluída, faça sua sugestão, via comentário. Com vocês, algumas pré-selecionadas:


Autor: Fernando Martins – 13/08/2010.
5 comentários.
Sinopse: Reproduz notas de Raquel Faria, para o Diário de Itabira, sobre a discrepância entre os altos lucros da Vale, em detrimento do baixo retorno para o país. Em seguida, o autor analisa e critica a ‘pequenês’ dos políticos itabiranos, principalmente os candidatos a deputados federais, por não apresentarem um plano para revisão dos royalties e da fiscalização da aplicação dos mesmos.
 

Autor: Fernando Martins – 31/07/2010.
9 comentários.
Sinopse: Compara o projeto do I-Tec (Parque Tecnológico Itabirano), inaugurado no governo Ronaldo Magalhães, com as reais instalações. Uma severa, mas muito bem humorada, crítica de um grupo político vendedor de ilusões.

Autor: Tonny Morais – 28/07/2010.
6 comentários.
Sinopse: O autor rechaça a carta de renúncia do ex-candidato a deputado estadual, Ronaldo Magalhães.

Autor: Fernando Martins – 08/07/2010.
2 comentários.
Sinopse: O autor expõe a trajetória política do João Izael, desde quando era muito bem aceito na classe política, até o momento, no qual os companheiros do João estão ‘urucando’ ele, depois que ele alcançou a pior aceitação já vista na cidade.

Autor: Marcelo Pinto Coelho – 01/07/2010.
4 comentários.
Sinopse: Um triste retrato da situação do Parque Natural do Ribeirão São José, em frano abandono e depredação.

Autor: Mauro Moura – 25/06/2010.
2 comentários.
Sinopse: Critica a linha ‘facista’ adotada pelo assessor de comunicação da prefeitura, Fernando Silva, ao distribuir mais anúncios para os órgãos de mídia que se ‘afinam’ com o governo.

Autor: Genin – 16/06/2010.
4 comentários.
Sinopse: Uma bela charge cedida pelo jornal O’Trem, Genin e Lúcio Sampaio, criticando o sombrio futuro de Itabira, muito propenso para roubos à sombra.

Título: 30 ANOS
Autor: Márcio Passos – 15/06/2010.
4 comentários.
Sinopse: O jornalista coloca a pulga atrás das orelhas dos prefeitos das cidades mineradoras, ao reproduzir uma nota do jornal O Tempo, que havia divulgado que as minas de Minas Gerais têm previsão de apenas 30 anos de vida.

Autor: Fernando Martins – 12/06/2010.
6 comentários.
Sinopse: Uma real montagem fotográfica sobre o comportamento das assessorias de comunicação da prefeitura e da câmara.

Autor: Fernando Martins – 02/06/2010.
0 comentários.
Sinopse: O autor expõe as dificuldades que passava o Ronaldo Magalhães, para que sua candidatura a deputado estadual decolasse. Uma quantidade de ‘SE’s que inviabilizaram a reeleição e culminou com a renúncia.

Autor: Fernando Martins – 01/06/2010.
6 comentários.
Sinopse: Um texto sobre o que seria uma boa novidade para os cidadãos acompanharem a execução orçamentária da prefeitura, em cumprimento da lei complementar 131 (Lei da Transparência), que começou a funcionar com erros no portal da prefeitura e que depois foi retirado do ar. Um flagrante descumprimento da lei pelo governo João Izael.

Autor: Bernardo Mucida – 26/05/2010.
6 comentários.
Sinopse: Uma interessante reflexão sobre a dependência econômica de Itabira com a mineração, na qual o autor responsabiliza todos nós no destino da cidade.

Autor: Érico Porto – 30/04/2010.
2 comentários.
Sinopse: Retrato da situação das estradas dos distritos de Itabira, mesmo após o ‘pequeno’ investimento dos 11 milhões de reais em manutenção, sem concorrência!

Autor: Bernardo Mucida – 10/04/2010.
7 comentários.
Sinopse: Excelente crítica do cientista político, que ironiza o que é vendido na mídia, pago com dinheiro público, e a realidade.

Autor: Fernando Martins – 28/03/2010.
3 comentários.
Sinopse: Um texto que narra a manobra encabeçada pelo vereador Élson Sá, ao retirar o direito do Neidson Freitas de se reeleger, pelo terceiro ano consecutivo, para presidente da casa, como forma de se autopromover.

Autor: Fernando Martins – 23/03/2010.
10 comentários.
Sinopse: Um dos melhores textos do autor, no qual revela que, com a inércia da oposição na cidade, quem assumiu a frente foram os próprios correligionários do João Izael. Começava aí a rejeição do João.

Autor: Fernando Martins – 09/03/2010.
25 comentários.
Sinopse: Uma grave denúncia de favorecimento para o “Imprensa Jovem”, atribuído ao pastor Ailton Moraes, que acumulava o cargo de secretário da ouvidoria da prefeitura. Recorde de comentários no blogue.

Autor: Fernando Martins – 28/01/2010.
8 comentários.
Sinopse: Denúncia apresentada no blogue sobre a contratação da empresa para o carnaval, antes mesmo dela ter vencido a licitação, marcada para 4 dias após!

Título: CORAGEM JOÃO
Autor: Bernardo Mucida – 12/01/2010.
13 comentários.
Sinopse: Excelente texto, no qual o autor incentiva o prefeito para uma virada de mesa, para que ele se desprenda dos excessos de compromissos com o seu grupo, para que seu governo decole.

Autor: Henrique Nery – 13/12/2009.
1 comentário.
Sinopse: Uma interessante leitura do autor, cuja previsão acabou se consolidando. Redigido em dezembro, parece que foi escrita neste mês.

Autor: Fernando Martins – 01/12/2009.
7 comentários.
Sinopse: O autor ressalva, neste texto, os bons nomes que compõem o grupão, mesmo sendo ele composto por grupos tão ideologicamente contraditórios e, ainda, aponta para um futuro melhor, desde que provocado por membros das tradicionais famílias itabiranas.

Autor: Henrique Nery – 07/11/2009.
0 comentário.
Sinopse: Uma bem humorada e inteligente análise de cenário político naquela época.

Autor: Fernando Martins – 19/10/2009.
0 comentário.
Sinopse: Dia decisivo na história política de Ronaldo Magalhães, ao convocar imprensa para uma coletiva, quando anunciaria o golpe da filiação no PV. Desde então, o blogue se posicionou contrário, promoveu uma enquete para avaliar a repercussão (que revelou-se negativa ao deputado) e que veio a culminar, meses depois com a renúncia da sua candidatura.

PÉROLAS DO FILHOS-DO-CAUÊ

Selecionei algumas pérolas registradas no primeiro ano do Filhos-do-Cauê.  Algumas postagens, pela qualidade dos textos, outras, pela

Autor: Fernando Martins – 13/08/2010.
5 comentários.
Sinopse: Reproduz notas de Raquel Faria, para o Diário de Itabira, sobre a discrepância entre os altos lucros da Vale, em detrimento do baixo retorno para o país. Em seguida, o autor analisa e critica a ‘pequenês’ dos políticos itabiranos, principalmente os candidatos a deputados federais, por não apresentarem um plano para revisão dos royalties e da fiscalização da aplicação dos mesmos.
 

Autor: Fernando Martins – 31/07/2010.
9 comentários.
Sinopse: Compara o projeto do I-Tec (Parque Tecnológico Itabirano), inaugurado no governo Ronaldo Magalhães, com as reais instalações. Uma severa, mas muito bem humorada, crítica de um grupo político vendedor de ilusões.

Autor: Tonny Morais – 28/07/2010.
6 comentários.
Sinopse: O autor rechaça a carta de renúncia do ex-candidato a deputado estadual, Ronaldo Magalhães.

Autor: Fernando Martins – 08/07/2010.
2 comentários.
Sinopse: O autor expõe a trajetória política do João Izael, desde quando era muito bem aceito na classe política, até o momento, no qual os companheiros do João estão ‘urucando’ ele, depois que ele alcançou a pior aceitação já vista na cidade.

Autor: Marcelo Pinto Coelho – 01/07/2010.
4 comentários.
Sinopse: Um triste retrato da situação do Parque Natural do Ribeirão São José, em frano abandono e depredação.

Autor: Mauro Moura – 25/06/2010.
2 comentários.
Sinopse: Critica a linha ‘facista’ adotada pelo assessor de comunicação da prefeitura, Fernando Silva, ao distribuir mais anúncios para os órgãos de mídia que se ‘afinam’ com o governo.

Autor: Genin – 16/06/2010.
4 comentários.
Sinopse: Uma bela charge cedida pelo jornal O’Trem, Genin e Lúcio Sampaio, criticando o sombrio futuro de Itabira, muito propenso para roubos à sombra.

Autor: Fernando Martins – 12/06/2010.
6 comentários.
Sinopse: Uma real montagem fotográfica sobre o comportamento das assessorias de comunicação da prefeitura e da câmara.

Autor: Fernando Martins – 02/06/2010.
0 comentários.
Sinopse: O autor expõe as dificuldades que passava o Ronaldo Magalhães, para que sua candidatura a deputado estadual decolasse. Uma quantidade de ‘SE’s que inviabilizaram a reeleição e culminou com a renúncia.

Autor: Fernando Martins – 01/06/2010.
6 comentários.
Sinopse: Um texto sobre o que seria uma boa novidade para os cidadãos acompanharem a execução orçamentária da prefeitura, em cumprimento da lei complementar 131 (Lei da Transparência), que começou a funcionar com erros no portal da prefeitura e que depois foi retirado do ar. Um flagrante descumprimento da lei pelo governo João Izael.

Autor: Bernardo Mucida – 26/05/2010.
6 comentários.
Sinopse: Uma interessante reflexão sobre a dependência econômica de Itabira com a mineração, na qual o autor responsabiliza todos nós no destino da cidade.

Autor: Érico Porto – 30/04/2010.
2 comentários.
Sinopse: Retrato da situação das estradas dos distritos de Itabira, mesmo após o ‘pequeno’ investimento dos 11 milhões de reais em manutenção, sem concorrência!

Autor: Bernardo Mucida – 10/04/2010.
7 comentários.
Sinopse: Excelente crítica do cientista político, que ironiza o que é vendido na mídia, pago com dinheiro público, e a realidade.

Autor: Fernando Martins – 28/03/2010.
3 comentários.
Sinopse: Um texto que narra a manobra encabeçada pelo vereador Élson Sá, ao retirar o direito do Neidson Freitas de se reeleger, pelo terceiro ano consecutivo, para presidente da casa, como forma de se autopromover.

Autor: Fernando Martins – 23/03/2010.
10 comentários.
Sinopse: Um dos melhores textos do autor, no qual revela que, com a inércia da oposição na cidade, quem assumiu a frente foram os próprios correligionários do João Izael. Começava aí a rejeição do João.

Autor: Fernando Martins – 09/03/2010.
25 comentários.
Sinopse: Uma grave denúncia de favorecimento para o “Imprensa Jovem”, atribuído ao pastor Ailton Moraes, que acumulava o cargo de secretário da ouvidoria da prefeitura. Recorde de comentários no blogue.

Autor: Fernando Martins – 28/01/2010.
8 comentários.
Sinopse: Denúncia apresentada no blogue sobre a contratação da empresa para o carnaval, antes mesmo dela ter vencido a licitação, marcada para 4 dias após!

Título: CORAGEM JOÃO
Autor: Bernardo Mucida – 12/01/2010.
13 comentários.
Sinopse: Excelente texto, no qual o autor incentiva o prefeito para uma virada de mesa, para que ele se desprenda dos excessos de compromissos com o seu grupo, para que seu governo decole.

Autor: Henrique Nery – 13/12/2009.
1 comentário.
Sinopse: Uma interessante leitura do autor, cuja previsão acabou se consolidando. Redigido em dezembro, parece que foi escrita neste mês.

Autor: Fernando Martins – 01/12/2009.
7 comentários.
Sinopse: O autor ressalva, neste texto, os bons nomes que compõem o grupão, mesmo sendo ele composto por grupos tão ideologicamente contraditórios e, ainda, aponta para um futuro melhor, desde que provocado por membros das tradicionais famílias itabiranas.

Autor: Henrique Nery – 07/11/2009.
0 comentário.
Sinopse: Uma bem humorada e inteligente análise de cenário político naquela época.

Autor: Fernando Martins – 19/10/2009.
0 comentário.
Sinopse: Dia decisivo na história política de Ronaldo Magalhães, ao convocar imprensa para uma coletiva, quando anunciaria o golpe da filiação no PV. Desde então, o blogue se posicionou contrário, promoveu uma enquete para avaliar a repercussão (que revelou-se negativa ao deputado) e que veio a culminar, meses depois com a renúncia da sua candidatura.

PÉROLAS DO FILHOS-DO-CAUÊ

Selecionei algumas pérolas registradas no primeiro ano do Filhos-do-Cauê.  Algumas postagens, pela qualidade dos textos, outras, pela

Autor: Fernando Martins – 13/08/2010.
5 comentários.
Sinopse: Reproduz notas de Raquel Faria, para o Diário de Itabira, sobre a discrepância entre os altos lucros da Vale, em detrimento do baixo retorno para o país. Em seguida, o autor analisa e critica a ‘pequenês’ dos políticos itabiranos, principalmente os candidatos a deputados federais, por não apresentarem um plano para revisão dos royalties e da fiscalização da aplicação dos mesmos.
 

Autor: Fernando Martins – 31/07/2010.
9 comentários.
Sinopse: Compara o projeto do I-Tec (Parque Tecnológico Itabirano), inaugurado no governo Ronaldo Magalhães, com as reais instalações. Uma severa, mas muito bem humorada, crítica de um grupo político vendedor de ilusões.

Autor: Tonny Morais – 28/07/2010.
6 comentários.
Sinopse: O autor rechaça a carta de renúncia do ex-candidato a deputado estadual, Ronaldo Magalhães.

Autor: Fernando Martins – 08/07/2010.
2 comentários.
Sinopse: O autor expõe a trajetória política do João Izael, desde quando era muito bem aceito na classe política, até o momento, no qual os companheiros do João estão ‘urucando’ ele, depois que ele alcançou a pior aceitação já vista na cidade.

Autor: Marcelo Pinto Coelho – 01/07/2010.
4 comentários.
Sinopse: Um triste retrato da situação do Parque Natural do Ribeirão São José, em frano abandono e depredação.

Autor: Mauro Moura – 25/06/2010.
2 comentários.
Sinopse: Critica a linha ‘facista’ adotada pelo assessor de comunicação da prefeitura, Fernando Silva, ao distribuir mais anúncios para os órgãos de mídia que se ‘afinam’ com o governo.

Autor: Genin – 16/06/2010.
4 comentários.
Sinopse: Uma bela charge cedida pelo jornal O’Trem, Genin e Lúcio Sampaio, criticando o sombrio futuro de Itabira, muito propenso para roubos à sombra.

Autor: Fernando Martins – 12/06/2010.
6 comentários.
Sinopse: Uma real montagem fotográfica sobre o comportamento das assessorias de comunicação da prefeitura e da câmara.

Autor: Fernando Martins – 02/06/2010.
0 comentários.
Sinopse: O autor expõe as dificuldades que passava o Ronaldo Magalhães, para que sua candidatura a deputado estadual decolasse. Uma quantidade de ‘SE’s que inviabilizaram a reeleição e culminou com a renúncia.

Autor: Fernando Martins – 01/06/2010.
6 comentários.
Sinopse: Um texto sobre o que seria uma boa novidade para os cidadãos acompanharem a execução orçamentária da prefeitura, em cumprimento da lei complementar 131 (Lei da Transparência), que começou a funcionar com erros no portal da prefeitura e que depois foi retirado do ar. Um flagrante descumprimento da lei pelo governo João Izael.

Autor: Bernardo Mucida – 26/05/2010.
6 comentários.
Sinopse: Uma interessante reflexão sobre a dependência econômica de Itabira com a mineração, na qual o autor responsabiliza todos nós no destino da cidade.

Autor: Érico Porto – 30/04/2010.
2 comentários.
Sinopse: Retrato da situação das estradas dos distritos de Itabira, mesmo após o ‘pequeno’ investimento dos 11 milhões de reais em manutenção, sem concorrência!

Autor: Bernardo Mucida – 10/04/2010.
7 comentários.
Sinopse: Excelente crítica do cientista político, que ironiza o que é vendido na mídia, pago com dinheiro público, e a realidade.

Autor: Fernando Martins – 28/03/2010.
3 comentários.
Sinopse: Um texto que narra a manobra encabeçada pelo vereador Élson Sá, ao retirar o direito do Neidson Freitas de se reeleger, pelo terceiro ano consecutivo, para presidente da casa, como forma de se autopromover.

Autor: Fernando Martins – 23/03/2010.
10 comentários.
Sinopse: Um dos melhores textos do autor, no qual revela que, com a inércia da oposição na cidade, quem assumiu a frente foram os próprios correligionários do João Izael. Começava aí a rejeição do João.

Autor: Fernando Martins – 09/03/2010.
25 comentários.
Sinopse: Uma grave denúncia de favorecimento para o “Imprensa Jovem”, atribuído ao pastor Ailton Moraes, que acumulava o cargo de secretário da ouvidoria da prefeitura. Recorde de comentários no blogue.

Autor: Fernando Martins – 28/01/2010.
8 comentários.
Sinopse: Denúncia apresentada no blogue sobre a contratação da empresa para o carnaval, antes mesmo dela ter vencido a licitação, marcada para 4 dias após!

Título: CORAGEM JOÃO
Autor: Bernardo Mucida – 12/01/2010.
13 comentários.
Sinopse: Excelente texto, no qual o autor incentiva o prefeito para uma virada de mesa, para que ele se desprenda dos excessos de compromissos com o seu grupo, para que seu governo decole.

Autor: Henrique Nery – 13/12/2009.
1 comentário.
Sinopse: Uma interessante leitura do autor, cuja previsão acabou se consolidando. Redigido em dezembro, parece que foi escrita neste mês.

Autor: Fernando Martins – 01/12/2009.
7 comentários.
Sinopse: O autor ressalva, neste texto, os bons nomes que compõem o grupão, mesmo sendo ele composto por grupos tão ideologicamente contraditórios e, ainda, aponta para um futuro melhor, desde que provocado por membros das tradicionais famílias itabiranas.

Autor: Henrique Nery – 07/11/2009.
0 comentário.
Sinopse: Uma bem humorada e inteligente análise de cenário político naquela época.

Autor: Fernando Martins – 19/10/2009.
0 comentário.
Sinopse: Dia decisivo na história política de Ronaldo Magalhães, ao convocar imprensa para uma coletiva, quando anunciaria o golpe da filiação no PV. Desde então, o blogue se posicionou contrário, promoveu uma enquete para avaliar a repercussão (que revelou-se negativa ao deputado) e que veio a culminar, meses depois com a renúncia da sua candidatura.

ENFIM, O PRIMEIRO ANO DO FILHOS-DO-CAUÊ


Há um ano atrás, eu e o Tonny Morais, num encontro informal no Centro Cultural de São Gonçalo do Rio Abaixo, queixávamos que a ONG, para fiscalizar as instituições itabiranas, não havia saído do papel. Estávamos inconformados com o destino decadente de Itabira, que vivia com a Câmara Municipal toda aliada ao inerte governo João Izael, com uma justiça que parecia silenciosa e nossa população sem brio, sem esperança.

Daí, nasceu a idéia de criarmos um blogue coletivo. Só que, até então, era apenas uma forma, quase que isolada, de desabafo, de protesto puro e simples. Sem investimentos de divulgação dele, sabíamos que não seríamos lá muito lidos e acompanhados. Entretanto, definimos que o blogue deveria ser coletivo, contando  com autores responsáveis e de várias tendências ideológicas e partidárias, para mantê-lo democrático e mais isento possível.

E então, de uma iniciativa despretensiosa, foram chegando novos autores de peso, novas adesões de pessoas que compreenderam e que permitiram se expor, se manifestaram e que registraram aqui suas opiniões. Vieram outros também, que, mesmo que não tenham ainda publicado algo, silenciosamente apoiaram, dando corpo ao coro a favor de Itabira. Tivemos advogados, jornalistas, marqueteiros, empresários, professores e artistas. Estava formado o blogue coletivo apartidário da cidade.

De lá, para cá, batemos muito, denunciamos, criticamos e expusemos as entranhas podres do poder e de sua vizinhança. Mesmo que não tenhamos alcançado ainda todas as camadas populares (e acho difícil com este modelo de textos mais complexos), acredito que houve uma colaboração na formação de opinião na cidade.

Coincidentemente, a partir de então e com o aumento de órgãos independentes na cidade (Jornal Mosaico, blogue do Zanon, Jornal Vox, Jornal Impacto e O Trem), algumas rupturas começaram a se suceder na cidade. A Câmara, antes 100%  vinculada ao grupão, virou de lado. O G6 (grupo dos 6 vereadores) nasceu , mostrou o poder esquecido e colocou abaixo a várias iniciativas tendenciosas, como a pretensão do Neidson de se manter na presidência; vetaram o empréstimo para obra do Bulevar;  não se "enquadraram" no pedido do prefeito em apoiar os candidatos 'oficiais'; reduziram de 35 para 10% o índice máximo de remanejamento de verbas da prefeitura; o Ronaldo Magalhães não teve sucesso com seu golpe contra o PV; o vice prefeito abandonou o barco; João Izael mexeu no secretariado e tantas outras mudanças, que pareciam improváveis, até então.

Culpa ou mérito nosso!?! Não creio nisso. Seria muita presunção nossa. Na verdade, com a chegada de outros órgãos de imprensa mais livres, a sociedade passou a ter mais coragem e passou, mesmo que timidamente, a torcer o nariz.

Então, indiferente de chamarmos para nosso umbigo os méritos, temos que comemorar. E como democrático que somos, sugiro uma votação das notas mais legais. Uma ótima oportunidade para vocês, leitores, conhecerem antigas notas ainda não lidas. Daqui a pouco, publicaremos aqui os textos para serem escolhidos. De presente, apresentamos o novo leiaute do blogue mais falado da cidade. Esperamos que aprovem e continuem conosco.

Muito obrigado a todos, pela companhia e pelo apoio. Itabira agradece.


quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Concha acústica, um tiro no escuro para dar certo

No Sábado, 21/08/2010, tivemos um grande acontecimento em nossa cidade, coisa rara esta.

Foi lançado o CD gravado com o coro dos mineiros de Itabira junto com o grupo Ponto de Partida, de Barbacena, com apresentação artística de Canto do Povo de Um Lugar.

Uma apresentação dígna de aplausos e melhor ainda ouvida com a qualidade acústica do anfiteatro de Itabira, encrustado no Pico do Amor.

Imagino que o arquiteto e construtora não pensaram que dalí, no meio de tanto pedregulho, sairia aquela primorosa acústica a ser apreciada por todos. Foi o verdadeiro tiro no escuro que deu certo.

Mas, como construção pública em Itabira é sempre um drama desde o dia que começa até sua conclusão e entrega à comunidade, temos lá alguns detalhes a serem transpostos pela Prefeitura Municipal, que já recebeu a verda da Vale em função de uma das LOC - Licença Operacional Corretiva, e parece que a grana acabou. Percebemos isto devido aos detalhes e necessidades incompletas para o local.

Vejamos, a iluminação na apresentação teve de ser provida por dois geradores a óleo diesel, poluidores do meio ambiente, não há acesso para caminhões ou camionetes até o palco para a montagem de equipamentos complementares para apresentações diversas e a Alameda Dorothea Reis, saudoso maestro e amigo, que nunca é entregue aos transeuntes e veículos a circularem por ela.

Pelo que me consta já foram gasto mais de R$ 7 milhões, os prazos de conclusão das obras já foram extrapolados em mais do dobro do tempo e a comunicação da Prefeitura não se digna a comunicar à comunidade os fatos que levam a mais este transtorno em nossa cidade.

A respeito da antiga proposta da Vale sobre a apresentação de ontem, "um novo olhar sobre Itabira", ela foi manietada no ano passado devido àquela crise mundial em que a grande mineradora continuou auferindo o mesmo montante de lucro em bilhões de reais as custas de desemprego e a não conclusão ou adiamento do proposto e falta de investimentos e patrocínios culturais em nossa cidade.

Creio eu que devido este corte da programação sobre o "olhar" que acabou se transforando em míope, por parte da Vale(?), os participantes deveriam ter aprofundado mais nas pesquisas e até mesmo inserido belas canções e valsas de antigos compositores itabiranos e da região, a citar Mestre Aleixo, Norberto Martins e Mozar Bicalho dentre muitos, proporcionando uma conotação mais itabirana de fato a este projeto que foi encerrado ontem.

ACESSE: www.lestemais.com.br

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

NA SOMBRA, EM BUSCA DO SOL

Após a iniciativa frustrada do golpe no PV itabirano, o ex-prefeito e ex-deputado Ronaldo Magalhães corre por fora da arena em busca da sobrevivência política. Se a tentativa de tirar o Damon de cena pela força, tornou-se frustrada, desde então, o político teve que passar a dar passos mais certos. Está correto e bem orientado agora, principalmente por colar nas sombras de potenciais candidatos: Anastasia (a governador), Aécio Neves (a senador) e, agora confirmado, doutor Robson (a deputado estadual). 

Com a aceitação do apoio do Ronaldo Magalhães, doutor Robson, que até tentou andar junto com Damon na oposição e que, ao não ser ouvido, se posicionou no centro político, a partir de agora, se posiciona de volta no grupão, onde sempre militou na política (segundo nota no jornal Manchetes Regionais-2a. quinzena Agosto-2010).

Eu, como já disse aqui, não tenho qualquer dúvida quanto os valores dos candidatos à sucessão ao governo do estado, tal como reconheço que o Aécio foi um dos melhores governadores de Minas. O problema é que eles insistem em andar mal acompanhados. A aproximação do retrógrado Itamar Franco, então, é doído.

 
FIDELIDADE A QUALQUER CUSTO

Segundo as recentes pesquisas de opinião, a disputa para o governo do estado, entre a chapa Hélio Costa/Patrus Ananias e a chapa Anastasia/Alberto Pinto Coelho, está bem mais favorável para os candidatos avalizados pelo Lula, do que os escolhidos pelo Aécio, tendo alcançado uma diferença de uns 20% a favor do Hélio Costa. Fato que comprova que, embora o Aécio tenha sido um excelente governador, Lula é bem mais pé quente. Aliás, é blindado contra qualquer tipo de denúncia. É incrível e merece até uma análise depois.

Mas, voltando ao tema, com a indicação do desgastado Ronaldo Magalhães, como coordenador da campanha do Anastasia e do Aécio, percebe-se que, o que motivou a escolha foi a fidelidade, construída na convivência do Ronaldo Magalhães com o governo do estado, em detrimento do peso do político na região, que anda completamente desgastado e com baixo valor. Ronaldo, também, não consegue inserir-se bem na região, tanto é que teve que se abdicar de disputar a reeleição para deputado estadual. Os resultados da nossa enquete, até agora, reprovam as recentes condutas do Ronaldo na cidade, que é berço político dele. 

Daí, fica a pergunta: será que a coordenação de campanha do Anastasia escolheu o melhor nome para coordenar a sua campanha, que, igualmente, não anda lá tão bem assim? Será que o Ronaldo conseguirá alavancar a campanha na região, ou será que será o Ronaldo o alavancado?

terça-feira, 24 de agosto de 2010

MANOEL GATO

Está sendo velado agora o corpo de Manoel do Carmo Gomes, conhecido carinhosamente por Manoel Gato, embora ele detestasse ser chamado assim.

Manoel tomava café diariamente com Dom Mário Gurgel, quando também era vivo. Era sempre visto à noite catando latinhas e outros descartáveis. De boa índole, muito religioso e carismático, Manoel partiu em paz, vítima de complicações de uma fratura e da própria idade.

ESTRELA FOSCA E ENFERRUJADA

Na nota anterior, publicada hoje, teci um comentário que merece maior destaque. Cadê o PT? Tanto os candidatos da terra, quanto os de fora? Onde está a Dilma e o Patrus Ananias? Será que virão à Itabira, que é uma cidade operária e que já confiou tantos votos no PT?

Há muito tempo venho observando isso. O PT nacional e estadual parecem ignorar o PT de Itabira. Deve haver algum motivo lógico para isso, afinal, Itabira não é uma cidade que se despreze, com quase 80 mil votos. Pode até ser que ainda permaneçam na memória, os maus resultados do PT local, no único momento que alcançou o poder. Pode ser, também, que as executivas estadual e nacional aguardam uma reoxigenação interna no partido local. Mas, sem a presença e a interferência deles, mais a militância se definha e mais se arrasta o partido na cidade. 

É triste vermos candidatos a deputados, federal e estadual, como o Bernardo Mucida e o Alexandre Banana, respectivamente, gastando solas de sapato em campanhas franciscanas, principalmente, diante do respeitável eleitorado existente, da qualidade dos dois postulantes e do quanto a cidade já contribuiu com o estado e a união.
 
Acredito mesmo, que o PT deveria voltar a encarar Itabira como 'estratégica', porque muito poderia contribuir para colocar a cidade nos trilhos. Eu, como cidadão, sou muito grato ao Aécio Neves-PSDB, pelo bom governo e grandes feitos na cidade e região. Mas desaprovo as alianças deles e de seus candidatos com membros sujos do grupão.

MEMÓRIA

O Lula, que aqui visitou no passado e que formou uma legião de militantes e de fãs, sumiu daqui depois de eleito, embora tenha enviado significativos recursos, como presidente da república. Raramente, recebemos alguns ministros, como o Patrus Ananias. 

Está passando da hora do PT dar uma boa polida na estrela e voltar a apresentá-la na cidade, com mais orgulho, mais brio e mais brilho. Para o bem da democracia, é claro!


NOTA DO EDITOR:  Não sou petista! No momento que trabalhei como assessor da prefeitura de Itabira, na gestão do PT, conheci pessoas de distintos valores. Convivi com pessoas supercapacitadas e muito bem intencionadas, bem como convivi com quem nem merecem ser lembrados. A defesa aqui postada pela recuperação do partido é por entender que grandes partidos precisam ser ativos, para disputarem de forma mais acirrada e mais equilibrada, como forma de fortalecer a democracia e de elevar o nível político de uma cidade, que tem andando em maus lençóis.

 

CAMPANHAS NAS RUAS

A corrida pelos votos chegam às ruas em Itabira e região. Dos candidatos itabiranos, contando com maior volume de campanha, ou seja, com mais presença de marketing nas ruas, destacam-se Adício da Vale Verde-PTN e Neidson Freitas-PP (ambos para deputados federais), seguidos de Doutor Robson-PRTB, Damon-PV e Jayme Duque,  que trabalhou para o João e até então foi ignorado pela mídia.

Na região, inclusive até o Vale do Aço, ainda destacam-se para vaga ao legislativo mineiro, Gustavo Valadares-Dem e Ivo José-PT. Para o Congresso, Alexandre Silveira-PPS (denunciado como um dos maiores faltosos) e Bernardo Santana de Vasconcellos-PR. 


O mais difícil para os eleitores, entretanto, será separar o joio do trigo. Em ambas bases, seja ela do grupão ou da oposição, não ficaram claras as fidelidades ideológicas. A convocação de "enquadramento", pedido pelo Prefeito João Izael, no início do ano, não foi obedecido. Dentro do PMDB (componente do grupão) há um racha, com apoiadores inclusive a favor do Damon (oposição). O doutor Robson chegou a propor alianças com a oposição, no início do ano, mas, diante da falta de acolhida, parece seguir uma linha de centro-direita. Os candidatos do PT, Bernardo Mucida (federal) e Alexandre Banana (estadual) ainda não conseguiram entrar na disputa com semelhantes forças, fatos que denotam profundo enfraquecimento do PT itabirano e completa falta de interesse das duas lideranças do PT com Itabira: Dilma e Hélio Costa. Dos candidatos que mais se afinam com sua base, até agora e a meu ver, é o Neidson Freitas, que se posicionou claramente na situação e que vem com tudo para tentar uma nova perpetuação do grupão. 


segunda-feira, 23 de agosto de 2010


BOA NOTÍCIA

A arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem) no município de Itabira cresceu 21,9% em julho em comparação a junho deste ano. O valor da contribuição no mês passado foi de R$7,871 milhões enquanto que em junho foi de R$6,456 milhões. Já em comparação com julho de 2009, o crescimento foi de 117% (R$3,612 milhões). Os dados são do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM).
Em Minas Gerais, a arrecadação da Cfem também se manteve em crescimento em julho, puxada pela demanda chinesa por minério de ferro. No mês passado, houve aumento de 15% em relação ao montante recolhido em junho, que até então havia registrado o melhor resultado do ano. Foram arrecadados R$51,365 milhões em julho contra R$44,622 milhões em junho.
Com relação a 2009, quando os municípios mineradores mineiros ainda enfrentavam os reflexos da crise financeira internacional, que impactou fortemente o setor, o recolhimento da Cfem mais que dobrou. Em julho do ano passado, a receita somou R$23,051 milhões, o que significou um aumento de 122,8% este ano.
No acumulado dos sete primeiros meses de 2010, também houve aumento de 0,4% em comparação ao mesmo período do ano passado. De janeiro a julho, o valor atingiu R$193,641 milhões. Em 2009, foram R$192,544 milhões.
Minas é o estado com maior recolhimento da Cfem, seguido por Pará. Entram nos cofres dos municípios mineradores e do governo mineiro 43% de toda a arrecadação da contribuição em território nacional.
A Cfem é calculada sobre o valor do faturamento líquido proveniente das vendas de minério ou mesmo quando o produto é consumido, transformado ou utilizado pela própria empresa.
(Jornal A Notícia)

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

BERNARDO MUCIDA LANÇA CAMPANHA HOJE

Hoje, às 6 da tarde, Bernardo Mucida lança sua campanha para deputado federal na cidade. O evento acontece na rua Santana, número 200, ao lado do Centro de Eventos. Mais precisamente, onde funciona o Praetorium, o qual é dono.

Bernardo tem aí uma longa caminhada, vistos o porte da sua ambição política e as limitações financeiras. É estudado, tem boa índole e parece compreender bem o real papel de um deputado federal. No plano político local, disputa semelhante eleitorado com Neidson Freitas, o candidato do grupão, sendo o Neidson  com mais experiência política (inclusive negativa), é mais privilegiado com bem maiores recursos financeiros, conta com o apoio da máquina e muitos olhos atentos na sua performance nestas eleições.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Realmente ficaremos sem água!

Após a discussão sobre as antigas e as novas LOC – Licenças Operacionais Corretivas da Vale em Itabira no último dia 20 de Julho de 2010, evidenciou-se o já dito: realmente ficaremos sem água!

Nas palavras do gerente da Vale, Rodrigo Chaves, ele que é de João Monlevade, afirma que nós itabiranos, representados pelo SAAE – Serviço Autônomo de Água e Esgoto, não sabemos captar água para o nosso consumo.

Esquece ele que ao exaurirem o Pico do Cauê, o lençol freático de toda a cidade foi rebaixado em 70 metros e com isto extinguiu-se várias fontes no Centro de Itabira, bairros adjacentes e principalmente na Penha.

Após o discurso do Rodrigo, infelizmente constatamos que a mineradora que passou mais de 40 anos explorando nossas reservas minerais sem pagar os royalties/CFEM, descaradamente estão querendo se eximir desta responsabilidade, principalmente porque é a grande responsável pela atual situação que vivemos e viveremos.

Algumas das antigas LOC ainda não foram cumpridas ou somente parcialmente e já estão sendo estabelecidas novas, assim esperamos que não sejam só para nos iludir.

Das antigas, a principal delas também foi realizada parcialmente, que era a de aumentar o volume de captação de água para a população itabirana, abriram alguns poços artesianos e um deles até já secou.

Há uma década estudam a captação de água no Rio Tanque para tratamento dela na ETA – Estação de Tratamento de Água dos Gatos. Meu saudoso pai afirmava que seria mais viável captar a água do Rio Santa Bárbara, na divisa com Bela Vista de Minas, edificando algumas hidrelétricas naquele rio e utilizando esta energia para bombear a água até a ETA da Pureza.

O que sei, o que temos absorvido é o aumento da conta d’agua do SAAE,haja vista que no ano passado houve um aumento de quase 20%, o qual presumo a sua necessidade em decorrência do aumento do consumo de energia elétrica daquela autarquia para manter as bombas d’agua a cada dia em maior profundidade ou distância para levar o líquido precioso até nossas casas.

Como já disse anteriormente, todos nós itabiranos, de nascença ou chegança, simplesmente estamos patrocinando a atividade mineradora extrativista da grande empresa, sendo funcionários dela ou não.

Quem quiser saber mais a respeito do posicionamento da gerência da Vale em Itabira se realmente as LOC serão cumpridas ou não o contato é:
rodrigo.chaves@vale.com

O CANDIDATO DAMON

Vários erros, como em toda campanha, colaboraram para que Damon Lázaro de Sena não fosse eleito prefeito de Itabira em 2008. E entre esses erros, credito alguns a minha pessoa, já que atuei como consultor de marketing eleitoral da campanha.
O principal erro, no entanto, acredito ter sido uma base político-partidária muito limitada para o enfrentamento natural que a política itabirana oferece. Basta lembrar que a base partidária da campanha de Damon não elegeu nenhum vereador. E isto, por si só, explica muita coisa.
O candidato do Partido Verde, no entanto, saiu da disputa sem vitória, mas cacifado numa situação tranqüila para a disputa de 2012, situação que só melhorou nos últimos dois anos com as dificuldades enfrentadas pelo governo do prefeito João Izael, que passa pela pior avaliação pública de seus seis anos de mandato.
A convergência dos fatos e o encaminhamento das ações para o afunilamento das vantagens em favor de Damon, me levavam a crer que a melhor estratégia para este anos de 2010 seria o trabalho de crescimento da base político-partidária, de vital importância para as pretensões na próxima eleição municipal.
Acredito que a oportunidade seria ideal para fortalecer os laços de união com aqueles partidos que sempre marcharam juntos – e onde se destaca o PT -, além de buscar outros que fortaleceriam a tão necessária base que possa viabilizar um sucesso eleitoral.
Pensei que veria neste ano o Damon declarando seu apoio à candidatura de Alexandre Banana ou Bernardo Mucida, bem como a candidato de outro partido que se revelasse como um novo aliado.
Entendo que política não pode ser um vale tudo com parcerias que não se completam, como a água e o óleo que não se misturam, mas desconheço sucesso eleitoral sem crescimento de base partidária.
É bem possível, no entanto, que eu esteja errado e que minha avaliação não passa de um devaneio apesar das quase três décadas de aprendizado. Aponto a possibilidade, pois vejo o Damon como candidato a deputado estadual, disputando votos com Alexandre Banana e sem nenhum sinal de trabalho buscando o crescimento da base partidária. Pior, o que se vê hoje é uma base pequena ainda mais reduzida.
Mas como toda campanha serve para a gente aprender mais, vamos torcer para que Damon tenha feito a opção certa, até porque nos dois meses em que prestei serviços a ele em 2008, descobri um cidadão muito bem focado e preparado para realizar um bom governo por Itabira. Principalmente se ampliar sua base.

BABEM AÍ...

Desde que me instalei em São Gonçalo do Rio Abaixo, tenho desfrutado de excelente qualidade de vida, nesta tranquila e pacata cidade. Do ponto de vista de opções noturnas, é natural que, uma cidade com núcleo urbano de 5000 habitantes, tenha suas limitações, que, para mim, não são necessárias.

Já do ponto de vista de atendimento dos serviços públicos, é notável a diferença. Morei e passei por várias outras cidades, tendo ficado até 2 meses diretos fora, inclusive em outros estados.

Aqui, em São Gonçalo, temos acesso gratuito à internet, com qualidade e fácil acesso, em vários pontos (telecentro, escolas e centro cultural), não precisando sequer andarmos com um notebook. Basta um pen-drive e tudo fica resolvido. 

Mas, um atendimento que chega a causar graça é o de saúde. Semanalmente, uma atendente do PSF chega até minha janela e pergunta se estamos precisando de algo: remédios, atendimento, exames etc. Eu vinha agradecendo, sempre justificando que tenho Unimed. Só que, diante da quarta insistência da moça, resolvi pedir um check-up, pasmem, com data a ser definida depois, em função da minha complicada agenda. Pacientemente, a moça me procurou aqui por mais umas 2 vezes, cobrando a definição da data. Sem graça por tanto enrolar, marquei dois dias depois, conforme minha conveniência.  Dá para acreditar? Ao invés de eu me submeter à disponibilidade deles, pegar fila e tudo mais, eles é que ficaram no meu pé para me atender. Aqui, ô espertinho, não sou peixe, não! Eles fazem isso com todos, em todas as casas que já perguntei! Tudo bem que penso em encarar também um exame de próstata com urologista... mas deixe isso pra lá. rsrsrs ... Falando sério e deixando as piadinhas de lado: vá marcar um exame gratuito na sua cidade e perceba a diferença.

Ah... só uma coisa, pelo amor de Deus! Não enviem comentários comparando a saúde daí, com a daqui.  Por razões éticas, me foi solicitado para não postar nenhuma comparação  neste blogue, que deixasse o governo daqui, em má situação com as demais prefeituras,  que, confesso, é um pedido dificíl de atender. Portanto, perdôem-me se recusar os comentários comparativos. Só lhes restam babar e morrer de inveja. Fui! (quero dizer embora, hein!)

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

AMA-CENTRO MUDA DATA DE LANÇAMENTO DO FECAPI

Pela AMA-CENTRO

Em vez 15 de agosto, as inscrições para o Festival da Canção Popular de Itabira (FECAPI), versão 2010, foram transferidas para o dia 25 de agosto. O FECAPI acontecerá entre os dias 30 e 31 de outubro. O FECAPI será realizado nas instalações do Valeriodoce Esporte Clube, Ginásio 1. Seu principal foco artístico e cultural está voltado para o âmbito municipal. Um dos objetivos dos organizadores é incentivar o surgimento de uma nova safra de artistas itabiranos e de potencializar a cadeia produtiva.

A proposta dos produtores é de atender aos participantes: artistas, produtores, estudiosos, técnicos, profissionais da música e interessados da área musical, de modo que nos próximos festivais, Itabira possa disputar com outros municípios e regiões em condições de igualdade.

Os idealizadores do festival descartam ainda, qualquer idéia de protecionismo ao mercado interno. Trata-se apenas de uma ação com vistas a motivar a juventude a investir mais nesse campo da cultura.

Com a iniciativa o FECAPI passa a ter ainda, o papel importante de atrair os estudantes face ao interesse da promoção do intercâmbio cultural entre as escolas de primeiro, segundo e terceiro graus, tendo na outra ponta, a difusão da música mineira por meio da realização do referido festival, através de oficinas a ser oferecidas e da viabilização e do envolvimento de artistas e produtores em cursos de capacitação, que serão convidados a participar.

PARA REFLEXÃO...

A coluna de Raquel Faria de hoje, no Diário de Itabira, traz 3 notas que merecem nossa reflexão. Vou transcrevê-las, na íntegra:

"GRANA DE MAIS

A tonelada de minério de ferro custava US$ 39 em 2007. Chegou a US$ 67 este ano. Com o consumo forte da China, mineradoras estão reajustando preços a cada 3 meses. As exportações de minério de Minas até julho -US$ 9,5 bilhões - já se aproximam dos valores de todo o 2009 - US$ 10,5 bilhões. Analistas estimam que a cifra vai fechar 2010 em US$ 24 bilhões - um tremendo resultado que, absurdamente, vai deixar pouco nos cofres do estado, em virtude da isenção de ICMS da Lei Kandir, uma lei Federal.

EMPREGO DE MENOS

Já se provou, por A mais B, que imposto não interfere no preço do minério de ferro. Portanto, o ICMS que o estado deixa de recolher apenas engorda o lucro das empresas. Elas geram empregos, é claro, para extrair o minério que exportam. Mas não são tantos assim. Conforme divulgou nesta semana o IBGE, o emprego industrial cresceu 2,4% no 1o.semestre. A menor alta, de meros 0,2%, foi registrada justo em Minas, onde a expansão econômica foi puxada pela indústria extrativa, que registrou o maior avanço no estado, segundo estudo da Fiemg: 57%.

NOSSA RIQUEZA?

As mineradoras estão produzindo e exportando como nunca para aproveitar a onda chinesa. Seus lucros são recordes. E não estão deixando benefícios à altura da riqueza que tiram do estado. A idéia de que as riquezas naturais pertencem à sociedade, um preceito consagrado no mundo, pode valer no Brasil para o petróleo do Rio, mas não tem valido para o minério de Minas. Vale ressaltar mais uma vez: a lei é federal e não tem nada a ver com leis encaminhadas pela Assembléia ou pelo governo de Minas." - Raquel Faria - Diário de Itabira - 13/08/2010.

No detalhe pontilhado, o traçado do que deveria ser a cidade sem a extração mineral, só para termos uma dimensão de volume.

FODA, NÉ?

Dai, quando vejo a sociedade "organizada" (associações de classe, comercial, CDL, Inter, Funcesi e outras) e os candidatos a deputados federais, que deveriam colocar em pauta agora, em período pré-eleitoral, uma profunda discussão e um projeto político para defender os interesses da nossa terra natal, que é berço da Vale e principal contribuinte para que a Vale chegasse onde chegou, fico estarrecido. Não vi qualquer estudo ou proposta para elegermos um representante para rever o óbvio. Pagaremos ainda muito mais pela omissão e pela falta de visão. 

A NOSSA PEQUENÊS

Há candidatos, como o Neidson Freitas, que já teve a sorte de ser presidente da Câmara Municipal, que se gaba, até hoje, como "bom gestor" e usa a máquina para se vangloriar de ter feito uma fossa para coleta de chuva. Para quem foi incapaz de enxergar uma devastação bem atrás de sua cabeça, no Pico do Amor, nem propor uma fiscalização da aplicação dos recursos pagos pela mineradora, tampouco propôs, nem que por promessa e que eu tenha conhecimento, uma Lei para revisar os royalties, caso se eleja deputado, seria mesmo capaz de compreender a importância de sua pretenciosa função? A diferença é que, em Brasília, a imprensa não cai na bobeira de ainda bater "parmas de contentamento" pelo "grande feito" do garoto, que conseguiu juntar água da chuva debaixo dos seus pés. E os outros candidatos itabiranos? O que têm defendido?
 
CALMA AÍ, JACARÉ
 
Não sou contra a Vale e nem contra a mineração. Mas entendo ser patente revermos tudo. Desde uma revisão dos ínfimos impostos pagos, diante de tanta riqueza não renovável que vai embora, como bem defendeu a Raquel Faria, quanto da correta aplicação dos mesmos, no sentido de investirmos esse dinheiro em outras iniciativas mais sustentáveis. Itabira tem sido, de longe, o pior exemplo da correta aplicação dos recursos públicos. Não faltam denúncias de funcionários públicos, com cargos de confiança, que nem no expediente comparessem.

Percebo que vivemos numa cidade do faz-de-conta, de cegos que fazem questão de não enxergar e  que preferem tapar os olhos dos outros. O Zé Fernando, candidato a governador pelo PV, levantou a bandeira e não conseguiu qualquer reverberação aqui, nem que fosse para apoiar outro que se comprometesse com causa semelhante. E para piorar, Zé Fernando deslizou ontem no debate da Band.

ÍNDIO NÃO QUER APITO
 
De nada ou pouco adianta elegermos deputados na cidade, como já fizemos até agora, se eles próprios não entenderem e não praticarem suas reais funções, sem clientelismo, sem se limitarem a indicações de verbinhas para asilos e bandas de música. Vereadores e deputados TÊM MESMO É QUE FISCALIZAR E PROPOR LEIS, cada qual no seu âmbito. Mas se preferirem ficar negociando carguinhos para os seus, dá no que já deu.

E a Vale, que não é nada boba, sabe bem dessas más condutas e não pensa em abrir mais as torneiras por nada. Até porque, quem paga errado, paga duas vezes...

Bom final de semana para todos!

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

A FOME E A VONTADE DE COMER

MAIS UMA VITÓRIA DO PV ITABIRANO

Desde que o ex-deputado estadual Ronaldo Magalhães deu o golpe em cima do PV itabirano, ao filiar-se por Belo Horizonte, no apagar das luzes do prazo legal e após uma manobra de mudança de domicílio eleitoral, o PV local iniciou uma luta desenfreada para colocar o tucano para fora do ninho.

Não faltaram especulações de dobradinhas dele com seu desafeto Damon Lázaro de Sena, ex-candidato a prefeito pelo PV, em 2008. Por mais que Damon e a direção do partido negassem, ficavam pulgas atrás das orelhas. Principalmente por causa de retardos nas respostas pelo diretório.

Ronaldo se esfoçava com a base do PV ligada ao governador Aécio Neves, enquanto Damon se agarrou ao deputado federal José Aparecido de Oliveira. Com a confirmação da candidatura do Zé Fernando ao governo do estado, Damon se fortaleceu e Ronaldo enfraqueceu mais um pouco. 

Daí em diante, ambos se esforçaram para se safarem das impugnações, quando Ronaldo renunciou após os tantos enfraquecimentos (inclusive de denúncias e alta rejeição) e Damon insistiu, até conseguir a primeira vitória, ao ter sua candidatura deferida.

Mas a segunda vitória, veio agora: Ronaldo Magalhães se desfiliou do PV!

EM TEMPO: Acaba de chegar um convite do PV de Itabira para o lançamento da campanha do Damon de Sena, que acontece nesta segunda-feira (16/8), às 7 e meia da noite, na sede do Sindicato dos Rodoviários.

Fonte: Diário de Itabira - 12/08/2010.


EM BUSCA DA SOBREVIVÊNCIA

Se a estratégia de tomar o PV local deu errado, Ronaldo Magalhães teve que passar a dar passos mais acertados. O primeiro foi de renunciar-se, mesmo alegando que fez isso pelo "bem da cidade e por não ser egoísta". 

Outro lance feliz no jogo foi ter conseguido a vaga de coordenador político das campanhas do Antônio Augusto Anastasia (PSDB), em Itabira e em mais 27 municípios da região, pelo governo do estado, e do Aécio Neves e Itamar Franco, ambos disputando vagas pelo Senado.



O Voto é responsabilidade de quem?

Recebi dentre os contatos que possuo no cotidiano, o email de Nivaldo Santos, que transcrevo abaixo. Trata-se de um texto limpo, reflexivo e bem atual. Faz o escritor, uma radiografia rápida, porém profunda e com conhecimento de causa do momento político ora em curso, que carece de meditação.

Digo isso, por que hoje nesta tarde, ao encontrar com a Mônica da Interasassociação, em um breve encontro nas dependências do Valério, me deu um estalo. Pressinto que ao refletir sobre o texto em questão, sou levado a pensar sobre toda essa parafernália que já está curso na “caça ao voto”.

Daí não seria o caso de a Interassociação em vez encabeçar apoios aos políticos, sem distinção, sobretudo aqueles que apenas reconhecem as instituições em momentos raros de interesses particulares?

Quem sabe uma inversão de valores poderia mudar o norte da discussão política no município, inaugurando uma nova era de como se deveria fazer política, onde a entidade em vez de discutir os candidatos passasse a propor debates com a comunidade de tal modo, que os políticos que aqui buscam o famigerado voto, fossem obrigados a tratar o eleitor com mais respeito e compromisso social.

Descarregam uma enxurrada de papéis e toma blá, blá, blá.... em seguida, vão embora para retornarem daqui a mais 4 anos e tome balela de novo. Isto é muito pouco. Esse pensamento único, do agora eu, depois eu e sempre eu, precisa ser revisto.

O Voto é o único instrumento legítimo que estabelece um código de ética entre o eleitor e o candidato. Mas é preciso que o eleitor tenha essa ciência e consciência do importante papel que ele representa nesse jogo. Portanto, confiram o texto e reflitam para não transferirem responsabilidades a outrem.

Código Aberto -
Eleitor, o grande ausente na cobertura da campanha eleitoral de 2010

Segundo os valores democráticos convencionais, os eleitores são os grandes atores de uma votação, pois esta seria a sua principal oportunidade para influir nos destinos do país. Pelo menos é isto que dizem os livros, mas, na prática, as campanhas eleitorais foram transformadas em competições em que o importante é saber quem está na frente e quem tem chances de ganhar.

É a velha imagem da corrida de cavalos, criada pela imprensa norte-americana há mais de 50 anos e que continua válida até hoje, tanto lá como cá. Esta simplificação extrema do processo eleitoral é uma conseqüência direta das estratégias dos candidatos e da política editorial da imprensa — que invariavelmente reduz a cobertura da campanha à briga pela pole position nas pesquisas de intenção de voto.
O resultado é o abandono, em maior ou menor escala, da informação sobre as posições, preocupações e desejos dos eleitores. É raríssimo encontrar um jornal, revista, emissora rádio ou TV que vá às comunidades sociais para investigar o que elas estão pensando, abra espaços para os debates que acontecem dentro delas e crie uma interface entre o público e os candidatos.

O resultado é que o eleitor acaba por sentir-se um mero espectador num processo em que ele deveria ser o protagonista, se fosse levada em conta a retórica democrática. Daí uma das mais prováveis razões do desinteresse crescente do cidadão pelas eleições, vistas cada vez mais como mais do mesmo.

Na última metade dos anos 1990 houve uma tentativa de reduzir a apatia e a abstenção eleitoral nos Estados Unidos por meio de um projeto chamado Jornalismo Cívico, nascido no meio universitário e que depois obteve recursos do Centro Pew e a adesão de cerca de 30 jornais regionais norte-americanos.
A proposta era simples. Em vez de cobrir os candidatos, os jornais passaram a dar espaços para as comunidades urbanas expressarem opiniões sobre os seus problemas, sobre a campanha e os partidos. Além disso, jornais começaram a promover audiências públicas para as quais os candidatos eram convocados a discutir com a população uma agenda montada pelos repórteres e editores.

O Centro Pew de Jornalismo Cívico (hoje inativo) chegou a colocar 10 milhões de dólares no projeto que tinha como principal referencial as eleições presidenciais norte-americanas de 1996 e de 2000. Mas, apesar dos esforços da fundação, de intelectuais como o professor de jornalismo Jay Rosen e dos editores de jornais, a proposta do jornalismo cívico acabou não prosperando.

Houve uma forte oposição dos grandes jornais como The New York Times, The Washington Post e Wall Street Journal, que rotularam o projeto como um envolvimento indevido do jornalismo na política, contrariando as normas de isenção e imparcialidade. Houve muito debate, mas acabou prevalecendo a tendência do não envolvimento com os eleitores, a pretexto de preservar a independência das redações.

Hoje esses argumentos perderam boa parte de sua consistência na medida em que os eleitores começam a encontrar outros meios, como os blogs, twits, comunidades sociais e fóruns online, para expressar suas preocupações e apatia diante de mais uma edição da corrida eleitoral protagonizada por candidatos, tribunais e pela imprensa, aqui no Brasil.

Mantendo-se fiel à rotina, os jornais perdem uma oportunidade única para procurar uma aproximação com os eleitores num momento em que cresce o número de jovens que abandonam a mídia convencional como fonte de informações. A opção preferencial pela cobertura dos candidatos feita pela maioria dos jornais brasileiros parece mais vinculada à rotina interna e uma vinculação atávica com a disputa pelo poder, do que por uma atitude lógica.

A imprensa precisa do público para sobreviver como negócio, mas evita uma alternativa como o jornalismo cívico que poderia melhorar a sua imagem diante dos eleitores, especialmente os mais jovens, a um custo quase zero em relação às estratégias editoriais já em curso para a cobertura da campanha de 2010.

Fonte: LesteMais/José Norberto de Jesus

PRIMEIRA ETAPA DAS PRESTAÇÕES DE CONTAS DOS CANDIDATOS

Ao longo dessas eleições, vamos ficar de olho nos passos dos candidatos itabiranos, para que você mesmo possa melhor escolher seus candidatos. Como fonte de dados, recorri ao sítio oficial do TSE, que está acessível a qualquer cidadão, de forma clara e fácil de compreender. Para quem quiser confirmar a veracidade das informações aqui dispostas, basta clicar neste link (clique aqui) e buscar todas as informações pretendidas.

Para o primeiro estudo, escolhi os principais candidatos postulantes ao cargo de deputado federal, que apresentaram as primeiras prestações de contas (parciais). Vamos ao estudo.




LEVANTAMENTO DE DADOS (vide quadro comparativo abaixo)

Cléverson Lobo Buim, candidato pelo Psol, não apresentou sua primeira prestação parcial de contas.

Bernardo Mucida, candidato a deputado federal pelo PT, que havia declarado possuir R$ 65.384,09 de patrimônio, investiu R$ 1000,00 com recursos próprios e outros R$ 15 mil, sendo 3 mil vindos de doações financeiras de pessoas físicas e mais 12 mil reais estimados em serviços doados por pessoas físicas. Destes valores, investiu R$ 5.750,00 em impressos e recebeu os 12 mil reais em doações, na forma de serviços de criação e inclusão para internet.

Um dos mais abastados candidatos, Adício Soares, candidato pelo PTN, investiu, até 28 de julho, conforme o sítio do TSE, o montante de R$ 2.595,00, num universo de R$ 50 mil que ele (o próprio) dispôs para investir em sua campanha. Um valor até irrisório, diante do seu poder de investimento, se considerarmos seu patrimônio declarado no TSE de mais de 12 milhões de reais.

Já Neidson Dias Freitas, candidato a deputado federal pelo PP, tido como o pupilo do Grupão, recebeu 400 reais em doações vindas de pessoa(s) física(s). Só que investiu R$ 26.100,00 em impressos; locação de imóveis e criações de jingles, vinhetas e/ou slogans. Ainda segundo sua declaração de bens apresentada ao TSE, Neidson alegou possuir só R$ 63 mil reais investidos em bens móveis e imóveis e nenhum valor apresentado em contas correntes ou contas de investimento.

Clique aqui para ampliar o quadro comparativo.


ANÁLISES DAS INFORMAÇÕES

Os dados apresentados pelo Bernardo Mucida-PT e Adício Soares-PTN, a meu ver, parecem coerentes e dentro da lógica entre o que possuíam e receberam de doações e entre o que investiram. Cléverson Lobo está pendente com a Justiça Eleitoral. Já da parte do Neidson Freitas-PP, suas informações prestadas não batem bem.  

Clique no gráfico para ampliar.
Pelas informações passadas pelo Neidson, seria o equivalente a ele, logo no início, ter gasto cerca de 40% de seu patrimônio pessoal, só para arrancar com sua campanha. Seria uma necessidade absoluta de sobrevivência? E mais, o total da receita (doações e investimentos próprios, lançados por 400 reais) é muito menor do que os valores pagos, totalizando R$ 26.100,00. Equivale a ter gasto 6.525% do que arrecadou para sua campanha, sem informar de onde veio o dinheiro na primeira prestação de contas.  Não consegui entender e fechar as contas. Soa a aberração e enganação ou, no mínimo, a displicência com as obrigações legais.

Tem dados sendo omitidos aí... Ou não?

O problema maior é, se ao postular a um cargo, um candidato que se apresenta para a Justiça declarando informações que não parecem consistentes, o que dirá se for eleito? Foda, né? São por esses motivos que vamos ficar de olho e publicar aqui todos os passos desses candidatos.

Daqui uns dias, publicaremos aqui os dados dos candidatos a deputado estadual. Aguardem.



O OUTRO LADO: Caso algum candidato entenda que eu tenha errado no levantamento dos dados e/ou na avaliação, gentileza entrar em contato conosco, no endereço de e-mail ao lado, para que possa fazer sua defesa.