Who's amoung us?

quinta-feira, 27 de junho de 2013

PAIXÃO PELO FUTEBOL = FOGO DE PALHA?

(Geral)


As manifestações ocorridas em todo o país, além de terem contribuído para um novo capítulo da história brasileira, nas quais as redes sociais, mais uma vez, mostraram-se eficientes canais de aglutinação e defesa de massa, garantiram os primeiros frutos: A Pec-37 foi pro saco e os governos recuaram nos aumentos das passagens. Bingo! Parabéns a todos!

A lista de reivindicações, entretanto, é ou deveria ser bem maior. Há ainda a Pec-33 (que propõe o absurdo aumento dos poderes dos deputados federais, ao forçar que algumas decisões do  Supremo Tribunal Federal (STF) tenham o aval do Congresso); duplicação da BR-381 (e outras); revisão dos royalties da mineração; revisão das aposentadorias; dos salários dos políticos; das reformas política; tributária etc. 

Daí, fica a pergunta... As manifestações em Monlevade, que pretendiam parar a BR-381 ontem à tarde, e as manifestações previstas para Itabira melaram? Com relação à de Monlevade, na verdade foi barrigada minha. Não era para ontem, como foi divulgado no Facebook e eu repliquei sem que soubesse da mudança de data. Será na segunda-feira próxima (se não melar, caso a Seleção seja campeã, imagino eu). Já em Itabira, pelo que vimos nas fotos publicadas nos canais de comunicação no período da tarde, não renderam. Vimos uma "meia dúzia de gatos pingados". Mais à noite, formou volume um pouco maior, mas muito pequeno ainda, se considerar a pretensão das 5 mil e tantas assinaturas ou do porte da cidade. E o mais lamentável, segundo o pessoal do Jornal Impacto, alguns organizadores bloquearam o trânsito em alguns locais, condicionando a liberação dos veículos à assinatura do abaixo-assinado. Ato antidemocrático e deplorável, que tira a legitimidade de qualquer pleito, por mais louvável que seja, caso se confirme. O pessoal do Impacto garante a afirmativa.


FOGO DE PALHA OU A PAUTA NÃO INTERESSOU?

Bem, se a lista de desejos não terminou, tomara que a galera não se renda à paixão pelo futebol. A seleção brasileira foi para a final, mas o circo acabará em alguns dias. Os problemas, certamente, ficarão. Daí, por quê do baixo número de participantes?

Minha gente... é o que vínhamos advertindo desde o início... Forçar a barra para promoção político-partidária, ou municipalizar a discussão nacional, ou fazer defesas corporativistas, só segmenta o grupo e coloca em risco de o reduzir a pó. 

A fórmula do sucesso das manifestações das capitais está na amplitude das demandas e suas respectivas soluções. Não na miopia de uns problemas menores e localizados, na defesa do corporativismo de uma classe trabalhadora, ou algo menos amplo, que aflige grupos ou interesses bem menores, embora possam ser até legítimos. Está na cara que a população está louquinha para discutir, debater, defender e até brigar, mas só se for em busca de resultados para todos. 

E mais... que sandice é essa de forçar abaixo-assinado? Se forem nesta linha, eu tô fora! Para mobilizar cidadãos com eficiência, a causa tem que ser comum e todas as ações precisam ser feitas com clareza, transparência e respeito, até para garantir a credibilidade do movimento. Sem a devida retidão, os movimentos se equivalem à podridão do que já temos por aí, no Congresso, Assembleias, Câmaras etc.  #ficaadica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

São aceitos comentários com autoria não identificada (anônimos), desde que não exponham ou citem nomes de pessoas ou instituições de formas pejorativa, caluniosa, injuriosa ou difamatória e mesmo que sejam expostos de forma subliminar ou velada.

Durante o período eleitoral, não serão publicados comentários que citem nomes de candidatos, nem de forma elogiosa, nem crítica.

Caso queira postar uma denúncia, é necessária a identificação do autor (nome completo e e-mail para contato), para que o comentário seja validado. Caso não possa se expor, envie um e-mail para a editoria (contatoitafq@yahoo.com.br), para que a denúncia seja apurada e certificarmos que há condições legais e justas para pautarmos uma postagem.

EM FASE EXPERIMENTAL: Os interessados que tiverem conta no Facebook e que não queiram seus comentários submetidos à moderação podem solicitar as suas inclusões no grupo de discussões "Filhos das Minas", ou, caso já seja participante dele, basta postar seu comentário diretamente no Facebook.