Who's amoung us?

quinta-feira, 7 de março de 2013

DENGUE NA SUA CASA

(São Gonçalo, Itabira e região)


Aí está o pernilongo transmissor da dengue (Aedes aegypt), capturado numa manhã de terça-feira, no meu escritório em São Gonçalo do Rio Abaixo, no bairro Guanabara.

Ao estudar os hábitos deste transmissor, que contagia a gente com o vírus da dengue e que pode nos matar, fica mais fácil de entender os reais papéis de cada um de nós no controle da dengue. É engraçado como imediatamente a gente mata os escorpiões, aranhas e até cobras perto da casa da gente e nem liga para este terrível inseto. Aliás, aposto que você deve achar exagero eu chamá-lo de terrível. Então, te desafio para um duelo da verdade. Vamos lá?


CADÊ A PREFEITURA?

No primeiro momento, a reação nossa é apontar a responsabilidade do controle para as prefeituras e as secretarias de saúde. Em parte, é claro que elas têm responsabilidade, sim. Só que a efetividade delas no controle é muito aquém da nossa. Limita-se muito mais no convencimento para que cada um de nós façamos nossa parte, do que elas próprias agirem. 

Para começar, você sabia que o fumacê é uma das mais fracas ferramentas no controle dos mosquitos da dengue? O problema maior dessa prática, segundo os críticos, é que ela nos dá a falsa sensação de proteção, fazendo-nos acomodar. Quando vemos aqueles homens com trajes que parecem espaciais, parece que todos foram exterminados, como os monstros nos filmes hollywoodianos. Só que não é verdade. Primeiro, porque um mosquito desse pode se deslocar num raio de até 1 quilômetro e pode se proteger em áreas que a fumaça não o alcançou. Segundo, por causa do seu mínimo tamanho, que varia entre 4 e 6 milímetros e que pode facilmente se esconder em qualquer fresta, folhagens e cantos. Terceiro, porque eles estão se tornando resistentes aos inseticidas. Quarto, porque quando os vemos voando, significa que já está na fase adulta e que pode ter deixado pelo menos uns 300 ovos nos recipientes com água, que é a capacidade de reprodução média de uma única fêmea, a cada 2 a 3 dias. Sem falar, ainda, que os ovos podem sobreviver por até 450 dias sem água! Percebeu agora o tamanho do nosso problema?

Quer mais exemplos de atendimentos ineficientes dos poderes públicos e dos publicitários? É muito comum a gente ver ilustrações dos mosquitos, que infantilizam o tema, transformando o mosquito num tipo de super personagem de desenho animado, ali desenhado como astro. Dengue mata de verdade. O mosquito é uma praga a ser combatida e, não, para ser venerada, ainda que subliminarmente. As peças das campanhas devem ser focadas no combate aos transmissores e devem se apresentar de forma austera. Não é brincadeira.


COMO COMBATER O MOSQUITO DA DENGUE?

A melhores e mais eficientes ferramentas estão na mobilização e na eliminação dos criadouros, que são os recipientes com água acumulada, que os mosquitos usam para postura dos ovos. Pouco adianta você estufar o peito e se gabar de ter feito sua parte, se seu vizinho não cuidou do seu quintal. E como os ovos podem sobreviver por mais de um ano, temos que manter a vigília e os cuidados com frequência diária, no  mínimo durante 2 anos, após a chegada do mosquito na sua localidade.

É preciso que a gente aja rápido e com disciplina constante, com foco em não deixar água parada nos lixos que acumulam água, caixas d'água descobertas, calhas de chuva entupidas, recipientes de coleta de água de degelo de geladeiras cheios, sifões e crivos abertos etc. Outra grande sacada é lavar bem os recipientes de água dos animais domésticos. Peixes comem as larvas se elas caírem nos rios e elas não gostam de água contaminada com esgoto ou produtos de limpeza.

Algumas outras dicas são também interessantes, como aplicar uma solução doméstica para combate das larvas e ovos nos recipientes com água parada, feitas com água sanitária (1 colher de sopa de água sanitária para 5 litros de água), sal de cozinha (1 colher de sopa de sal de cozinha em 1 copo de água) ou até borra de café (4 colheres cheias de borra de café para um copo de água), pelo menos uma vez por semana.

Caso algum agente de saúde da prefeitura vá até sua casa, se oriente bem com ele e chame seus familiares para prestarem atenção. Ao aplicarem o fumacê e venenos nos vasos com água, o controle já começa a melhorar. Se seu vizinho não colabora ou não dá a devida atenção, ligue para a vigilância sanitária, para que ela dê jeito. Só não vale deixar de agir. Boa sorte e bom combate!


COMO IDENTIFICAR O MOSQUITO?

Este exemplar acima, foi exterminado no tapa. Por isso, foi fotografado mutilado. O mosquito da dengue é de fácil identificação. Tem voo mais lento e baixo; prefere aparecer nos inícios das manhãs e finais de tarde; é bem pequeno (uns 5 mm de comprimento); tem as pernas escuras listradas de branco e abdome que pode mudar da cor castanho-escuro com listras claras e uma pintas brancas, para o avermelhado, caso esteja com o intestino cheio de sangue.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

São aceitos comentários com autoria não identificada (anônimos), desde que não exponham ou citem nomes de pessoas ou instituições de formas pejorativa, caluniosa, injuriosa ou difamatória e mesmo que sejam expostos de forma subliminar ou velada.

Durante o período eleitoral, não serão publicados comentários que citem nomes de candidatos, nem de forma elogiosa, nem crítica.

Caso queira postar uma denúncia, é necessária a identificação do autor (nome completo e e-mail para contato), para que o comentário seja validado. Caso não possa se expor, envie um e-mail para a editoria (contatoitafq@yahoo.com.br), para que a denúncia seja apurada e certificarmos que há condições legais e justas para pautarmos uma postagem.

EM FASE EXPERIMENTAL: Os interessados que tiverem conta no Facebook e que não queiram seus comentários submetidos à moderação podem solicitar as suas inclusões no grupo de discussões "Filhos das Minas", ou, caso já seja participante dele, basta postar seu comentário diretamente no Facebook.