Who's amoung us?

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

CASARÕES TOMBADOS (LITERALMENTE) - 4

Casa pertencente aos herdeiros do santeiro Duval. Poucos dias atrás, recebemos um e-mail da bisneta do santeiro, com o seguinte apelo:

"Sou bisneta de Alfredo Duval e estou pleiteando junto a Prefeitura de Itabira a restauração do Casarão. É muito dificil, então, peço a todos ajuda nesta missão para que não deixem que a memória de nossos antepassados morram como o pico do Cauê.

Rosangela Duval
"

 


Rua Princesa Isabel.

6 comentários:

  1. Fernandinho, bom dia!
    Você que é tão bem informado quanto à história local, por favor me tire uma dúvida:
    - O local onde hoje se encontra a conceituada HOLLYWOOD Fotótica, (Diga-se de passagem, um projeto arquitetônico moderno) era um lote vago ou uma construção antiga que deu espaço à especulação imobiliária e comercial?

    ResponderExcluir
  2. Caro anônimo,

    Primeira correção: não me coloco aqui como "entendido" em patrimônio histórico e, sim, como um mero observador, que registra e expõe as tristes situações destes prédios centenários, sem tanto comentar.

    O prédio da Hollywood foi edificado onde, antes, funcionou duas lojas, uma sapataria e uma loja de presentes, com fachadas modernizadas pelos donos anteriores e que não era tombado. Vide documentário "Revelações" em nosso portifólio, no endereço http://www.hspro.com.br/pviddoc.php, para que veja como era sua fachada, na década de 70.

    Entretanto, mesmo meu pai tendo comprado o prédio completamente descaracterizado do padrão colonial, tomou o cuidado de contratar o renomado arquiteto, Zenon Lago, que assinou outros importantes prédios da cidade (Top Men e Centro Cultural) e que buscou uma linha arquitetônica que respeitasse o entorno.

    No caso da Hollywood foi bem mais complicado, porque, de um lado, havia o moderno prédio do Banco do Brasil. Do outro, um sobrado colonial. Com sua sensibilidade típica, Zenon criou uma fachada que mesclou parte das duas arquiteturas, fazendo com que o novo prédio encaixasse em consonância com o ambiente e servisse de transição dos estilos tão antagônicos.

    Note as linhas arqueadas do terceiro piso, compondo com as linhas retas verticais do segundo andar. Na parte central, as linhas que remontam ao prédio do banco, na parte superior, o arco que remonta aos arcos das portas e janelas do sobrado vizinho. Em toda loja, optou por mobiliário de madeira (freijó), mesclando a rusticidade da madeira, com o design moderno. As cores foram igualmente escolhidas. Originalmente, o prédio do banco adotava a cor ocre e cinza do lambri de metal da caixa da escada. Já o sobrado, palha e vinho no madeirame. Para a Hollywood, Zenon definiu o tom sobre tom, com a cor ocre, quase amarronzado, dando um tom clássico, tal como ostentam as histórias os prédios e instituições citados. Depois que o prédios mudaram as cores, a Hollywood clareou para um tom tendendo para o palha, respeitando o conceito original.

    Espero ter respondido sua dúvida. Mas, a propósito, por que preferiu se esconder no anonimato da sua provocação? Como pode notar, não teríamos quaisquer problemas em respondê-lo(a) com dignidade e tranquilidade. Comportamentos estes, diga-se de passagem, natos de quem tem bom berço, ética, boa fé e boa educação.

    ResponderExcluir
  3. D. Rosângela Duval, dê uma passadinha lá no térreo da prefeitura e procure a D. Vilma, esposa do Felício Brugnara, e vá perguntando a ela a respeito deste seu sobrado sobradão e não se esqueça também de perguntar aonde o Jão Izael está enfiando o dinheiro do ICMS Cultural desde 2009 e que por conta disto não se dispôs até hoje a realizar a reforma do antigo sobradão do Santeiro Alfredo Duval.

    Com todo o respeito que tenho por sua família e história,
    Mauro Andrade Moura

    ResponderExcluir
  4. Fico muito grata a todos que tem apoiado-me em resolver a questão do casarão de minha familia
    o meu interresse e somentre em preservar a memoria de meu Bisavo Alfredo Duval que faz parte da historia de Itabira. Obrigada Rosangela Duval

    ResponderExcluir
  5. Rosangela Maria Duval18 de fevereiro de 2012 23:47

    Fernando .
    Estive na ultima terça feira em Itabira e fiquei chocada com o que encontrei ,um descaso total pelo o que se é chamado de Patrimonio Historico, a casa de meu Bisavo Alfredo Duval completamente destruida pelo tempo e pelo abandono sendo que a prefeitura nos obriga a pagar por projetos de restauraçao sendo que isto é obrigaçao da mesma.
    Gostaria que me esclarecesse se os casaroes tombados tem que pagar IPTU .
    Não entendo porque se fazem tanto barulho com o Nome de Carlos Drumond que desde que saiu de Itabira jamais voltou e não dão o menor valor a Alfredo Duval que nasceu cresceu trabalhou e morreu em Itabira deixando suas obras como herança.
    Agradeço desde ja sua atenção
    Aguardo urgente resposta.
    Rosangela Duval.
    18-02-12

    ResponderExcluir
  6. Rosangela Maria Duval18 de fevereiro de 2012 23:54

    Estava esqucendo-me a prefeitura diz não haver herdeiros porem ai em Itabira tem o Sr. Pedro Duval que mora no Bairro amazonas na rua Rondônia e aqui em BH existem mais ou menos uns cem herdeiros diretos do inlustre Santeiro Alfredo Duval.

    ResponderExcluir

São aceitos comentários com autoria não identificada (anônimos), desde que não exponham ou citem nomes de pessoas ou instituições de formas pejorativa, caluniosa, injuriosa ou difamatória e mesmo que sejam expostos de forma subliminar ou velada.

Durante o período eleitoral, não serão publicados comentários que citem nomes de candidatos, nem de forma elogiosa, nem crítica.

Caso queira postar uma denúncia, é necessária a identificação do autor (nome completo e e-mail para contato), para que o comentário seja validado. Caso não possa se expor, envie um e-mail para a editoria (contatoitafq@yahoo.com.br), para que a denúncia seja apurada e certificarmos que há condições legais e justas para pautarmos uma postagem.

EM FASE EXPERIMENTAL: Os interessados que tiverem conta no Facebook e que não queiram seus comentários submetidos à moderação podem solicitar as suas inclusões no grupo de discussões "Filhos das Minas", ou, caso já seja participante dele, basta postar seu comentário diretamente no Facebook.