Who's amoung us?

quinta-feira, 30 de maio de 2013

O SUPRASSUMO DA ÉTICA

Caros leitores e colegas da imprensa,

Descobri, com pesar, que devo ser péssimo exemplo de ética profissional, que não posso me qualificar como membro da “imprensa” (apesar de ter servido por uns 30 anos para os principais órgãos da região), que instigo rivalidade entre populares, que detenho “suposta inteligência”, dentre outras atribuições negativas. O endereço não foi preciso, mas a carapuça, pelo que observei, só serviu em mim. Daí, não vejo outro cidadão que possa me tomar ou mesmo compartilhar tais desqualificações. Vai ver que pequei mesmo feio contra a ética.

E o pior, quem assina a sentença vexatória contra este reles “escrivinhador” é ninguém menos do que um jovem, mas com boa bagagem de uns 6 ou 7 anos à frente da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de São Gonçalo, que fazia questão de só anunciar feitos concretos da administração, cidadão antes bem relacionado na cidade, bacana, que representava um governo de vanguarda e que já foi até Secretário de Cultura da cidade. A nota foi publicada antes de ontem, no início da tarde, no Facebook dele e eu só soube depois que vários amigos me informaram, porque, apesar dele ter feito a questão de “assinar embaixo”, deve ter se esquecido que me bloqueou, não me permitindo, portanto, que eu tomasse conhecimento. Pode ser que ele, mui gentilmente, quis me poupar de encarar tal martírio de frente.

Puxa vida. Peço desculpas a todos caso tenha errado da forma que ele expôs e suplico seu perdão. Vai ver ainda que a ÉTICA seja mesmo:
  • Fazer com ou permitir que outros profissionais façam uso de imagens ou propriedades intelectuais alheias e que faturem alto com elas, cerceando o direito aos créditos e remunerações, infringindo o código dos Direitos Morais e Autorais presentes nas obras artísticas e intelectuais;
  • Permitir ou solicitar que funcionários peguem depoimentos de populares para o house organ (jornal oficial) e depois sair em jornal de campanha de candidato;
  • Ser responsável pela comunicação oficial, poder passar a anunciar pacotões de obras milionários e estes não saírem dos papéis ou serem enrolados pelo longo tempo com paralisações, gastando-se fartos dinheiros públicos;
  • Contratar “shows e espetáculos” da cultura enlatada;
  • Se dar ao direito de não permitir a real e verdadeira liberdade de imprensa e expressão, ao não repassar informações ou responder questionamentos para quem critica; cercear economicamente quem se opõe aos interesses do governo para não aparecerem maus feitos do governo, processos etc.;
  • Acusar os demais de ser totalmente parcial e entender que seja diferente;
  • Não gostar e/ou tentar intimidar, para que as pessoas tenham livre acesso à informação, tendo inclusive supostos casos de fiéis servidores recolhido jornais distribuídos na cidade com publicações contrárias aos interesses de quem defende;
  • Se reunir ou encontrar com populares e militantes, alguns até indiciados de receber sem trabalhar na prefeitura, que soltaram foguetes contra os opositores;
  • Atacar ou criticar pessoas publicamente, tentando cercear o acesso à “condenação” publicada por ele, em seu perfil de rede social;
  • Praticar bulling em redes sociais, mandando uma cidadã “catar coquinho”;
  • Fazer parte de e/ou defender um governo que derivou para a opressão, perseguição, que alimenta (ou permite) a baderna social realizada nas intimidações e humilhações dos que pensam diferente deles, ou que defendem a justa distribuição dos recursos públicos para todos, com linhas que remontam ao coronelismo e por aí vai...
Enfim, se para gozar do status da ética total depende do fiel cumprimento desta lista acima, definitivamente, sou aético mesmo.

Certamente, se os cidadãos são-gonçalenses permanecessem com os cabrestos eleitorais, não tivessem acesso à informação, recebem migalhas enquanto uma meia dúzia se enriquece, a paz social estaria reinando. Mesmo que a absoluta maioria permanecesse à míngua e na miséria, bem que poderiam estar bem mais felizes e acomodados, não fossem as revelações publicadas por este "blogueiro". A culpa de todos os males que assolaram na cidade, das paralisações das obras do governo, dos desmandos, dos enriquecimentos questionáveis, da população ter se revoltado contra os indícios de corrupção eleitoral é toda minha. Tudo culpa minha.

Como penitência e como sempre fiz, assino embaixo, o auxilio em dar maior publicidade à condenação feita de forma tímida e bloqueada e dou-lhe, mais uma vez, o direito à livre possibilidade de se defender, bastando nos remeter sua manifestação, esperando que não seja, novamente, em vão.

Que assim seja.



Postagem do Assessor de Comunicação da Prefeitura de São Gonçalo
publicada no Facebook.

EM TEMPO (de forma sincera): Aos colegas da imprensa, minha compreensão e apoio, caso tenham sido ou sentido pressionados para só falar bem, sob risco de censura econômica por dependerem dos anúncios para mera sobrevivência. Quem sou eu para questionar isso? Duvido e tenho fé que não que fariam isso por gosto ou orientação editorial. A verdade, por certo, um dia aparecerá.

2 comentários:

  1. São Gonçalo virou pão e circo?!

    ResponderExcluir
  2. Para qualquer um saber! Estamos numa era da informatização, não é preciso ser repórter para colocar uma publicação, ou seja não é proibido você manter um Blog, correto!
    Então não sei por que, essas pessoas ficam atacando Nosso Blogueiro, que tanto nos ajuda com informações, tanto politica ou qualquer outra.
    Engraçado, quando a oposição se defende da nisso, por que será????
    Tal como o impresso ofendendo a oposição!!!
    A época de calar a boca já passou. Somos livres e não vivemos nenhuma Ditadura Correto.
    Somos livres sim! Para ir e vir...Há alguma Lei que tenhamos que ficar com a boca fechada? Há uma Ditadura acontecendo?
    Curioso!

    ResponderExcluir

São aceitos comentários com autoria não identificada (anônimos), desde que não exponham ou citem nomes de pessoas ou instituições de formas pejorativa, caluniosa, injuriosa ou difamatória e mesmo que sejam expostos de forma subliminar ou velada.

Durante o período eleitoral, não serão publicados comentários que citem nomes de candidatos, nem de forma elogiosa, nem crítica.

Caso queira postar uma denúncia, é necessária a identificação do autor (nome completo e e-mail para contato), para que o comentário seja validado. Caso não possa se expor, envie um e-mail para a editoria (contatoitafq@yahoo.com.br), para que a denúncia seja apurada e certificarmos que há condições legais e justas para pautarmos uma postagem.

EM FASE EXPERIMENTAL: Os interessados que tiverem conta no Facebook e que não queiram seus comentários submetidos à moderação podem solicitar as suas inclusões no grupo de discussões "Filhos das Minas", ou, caso já seja participante dele, basta postar seu comentário diretamente no Facebook.