Who's amoung us?

segunda-feira, 20 de maio de 2013

PARA POR FIM NOS TROLOLÓS

(São Gonçalo do Rio Abaixo)

Chega ser engraçado como os governistas reagem diante das opiniões contrárias às deles. Quando sentem que seus interesses ficam ameaçados, tratam logo de perseguir para que as pessoas fiquem sem emprego e ainda têm a ousadia de alegarem que são vagabundos, que não gostam de trabalhar e por aí vai. 
Estive fazendo um flash-back, com ajuda de alguns leitores deste blogue e reveja só como têm sido as reações deles, com relação aos processos de cassação...
Primeiro, falaram aos 4 ventos que não tinham processos. 
Depois que provamos as existências dos processos aqui, juraram que não haviam corrompido ninguém, que a oposição era irresponsável e que não haviam provas. 
Então, os advogados de acusação apresentaram testemunhas, gravações em vídeo, notas de empenho, contratos de compras de quase 12 milhões de reais em materiais e serviços de construção. Aí, a turma do governo tentou ganhar tempo pedindo que fizessem perícias nas provas, quando a Justiça sacou o jogo e deu varada, mandando correr os processos sem atender ao pedido de perícia técnica.
A seguir, cada um dos 3 promotores que passaram pela comarca neste ano mantiveram os pedidos de cassação, mesmo tendo alguns governistas alegado o absurdo de dizer que comprariam eles e a Justiça.
A desculpa agora é que não há gravidade no último parecer e citam o caso do ex-prefeito Gustavo Prandini, de João Monlevade, como última esperança, lembrando que ele também foi cassado localmente e absolvido depois. Entretanto, o embaraço jurídico do Prandini era infinitamente menor. Lembro-me que ele respondeu por ter recebido apoio de uma rádio local, que era impedida pela Lei Eleitoral. Portanto, não se tratava de uso da máquina de forma abusiva como se viu em São Gonçalo, de abusos de poderes econômicos e políticos, tornando a disputa desigual e desleal, até porque Gustavo nem tinha como fazer isso porque não estava ainda no poder. Enfim, dois pesos e duas medidas completamente diferentes. 
O que nos resta é aguardar as próximas desculpas, as sentenças dos julgamentos e saber se eles terão cara  para recorrer. Aos que pediram que publicássemos aqui o último parecer, eis abaixo. Basta clicar no link "Mais Informações" que aparecerão as 19 páginas.
























2 comentários:

  1. LINK PARA VER O PARECER DO MINISTÉRIO PÚBLICO ELEITORAL NA ÍNTEGRA
    http://serenodalei.blogspot.com.br/2013/05/parecer-do-mp-segundo-processo-aije.html

    ResponderExcluir
  2. Por que é tão diferente a atuação do Ministério Público de Minas e do Brasil das de Itabira?

    Passamos por 12 anos de absurdidades, de várias denúncias de fato, denúncias crimes e nada, nenhuma ação concreta do MP.

    Presenciamos enriquecimento da noite para o dia como passe de mágica, pessoas entrando pobres e saindo milionários depois de passarem pela vida pública, obras pagas e não realizadas (deixando claro a corrupção e desvio de recursos públicos).

    por que o MP de Itabira não cumpre com seu DEVER constitucional? Por que não investigar tantas denuncias de fato? denuncias crime?

    Por que ficar apenas sentado atrás de uma mesa analisando somente papel que aceita tanto a mentira como a verdade?

    E ainda está valendo essa prerrogativa do MP de investigar, apurar, por que não é utilizada por aqui?

    Por que tanta passividade? tanta omissão?

    Será por que comportamentos tão antagônicos em uma mesma instituição?

    ResponderExcluir

São aceitos comentários com autoria não identificada (anônimos), desde que não exponham ou citem nomes de pessoas ou instituições de formas pejorativa, caluniosa, injuriosa ou difamatória e mesmo que sejam expostos de forma subliminar ou velada.

Durante o período eleitoral, não serão publicados comentários que citem nomes de candidatos, nem de forma elogiosa, nem crítica.

Caso queira postar uma denúncia, é necessária a identificação do autor (nome completo e e-mail para contato), para que o comentário seja validado. Caso não possa se expor, envie um e-mail para a editoria (contatoitafq@yahoo.com.br), para que a denúncia seja apurada e certificarmos que há condições legais e justas para pautarmos uma postagem.

EM FASE EXPERIMENTAL: Os interessados que tiverem conta no Facebook e que não queiram seus comentários submetidos à moderação podem solicitar as suas inclusões no grupo de discussões "Filhos das Minas", ou, caso já seja participante dele, basta postar seu comentário diretamente no Facebook.