Who's amoung us?

sexta-feira, 31 de maio de 2013

UTILIDADE PÚBLICA - VACINA CONTRA GRIPE

Cientista da Universidade Johns Hopkins, Peter Doshi – Ph.D, 
“detona” com a Vacina da Gripe.




 O que teria a nos esclarecer a comunidade médica? a GRS - Gerência Regional da Saúde? as SMUs - Secretárias Municipais da Saúde?






 Um cientista da Universidade Johns Hopkins emitiu um estarrecedor relatório sobre vacinas da gripe no British Medical Journal (BMJ). Peter Doshi, Ph.D., acusa que embora as vacinas estejam sendo empurradas para o público em números sem precedentes, elas são menos eficazes e causam mais efeitos colaterais do que é alegado pelo Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC). Além disso, diz Doshi, os estudos que fundamentam a política do CDC de incentivar a maioria das pessoas para receber anualmente a vacina contra a gripe são muitas vezes estudos de baixa qualidade que não comprovam as alegações oficiais.

A promoção das vacinas contra a gripe é uma das políticas de saúde pública mais visíveis e agressivas nos Estados Unidos, diz Doshi, do Johns Hopkins School of Medicine. As empresas farmacêuticas e funcionários públicos pressionam para vacinação generalizada a cada outono, oferecendo vacinas em farmácias e supermercados. Os resultados têm sido fenomenais. Apenas 20 anos atrás, 32 milhões de doses de vacina contra a gripe estavam disponíveis nos Estados Unidos em uma base anual. Hoje, o total disparou para 135 milhões de doses.

"A vacina pode ser menos vantajosa e menos segura do que tem sido afirmado, e a ameaça da gripe parece ser exagerada", disse Doshi. Políticas de vacinação obrigatória foram promulgadas, muitas vezes em serviços de saúde, obrigando algumas pessoas a tomar a vacina sob a ameaça de perder seus empregos.

A principal afirmação do CDC que alimenta o impulso para vacinas contra a gripe a cada ano é que a gripe vem com um risco de complicações graves que podem causar a morte, especialmente em idosos e pessoas que sofrem de doenças crônicas. Esse não é o caso, disse Doshi.

Ao ler atentamente, o CDC reconhece que os estudos que encontram qualquer redução percebida nas taxas de mortalidade podem ser devido ao "efeito do usuário saudável" - que é a tendência para as pessoas saudáveis serem mais vacinadas do que as pessoas menos saudáveis. O único estudo randomizado de vacina contra a gripe em idosos não encontrou nenhuma redução no número de mortes. "Isso significa que vacinas contra a gripe são aprovadas para uso em pessoas mais velhas, apesar da falta de testes clínicos sérios que demonstrem uma redução nas consequências graves", diz Doshi.

Mesmo quando a vacina contém o tipo de gripe que é predominante, o que não acontece todos os anos, testes randomizados e controlados de adultos saudáveis descobriram que a vacinação dentre 33 e 100 pessoas resultou na diminuição de apenas UM CASO de influenza. Além disso, diz Doshi, não existe nenhuma evidência que mostre esta redução do risco da gripe para uma população específica, nos Estados Unidos entre adultos saudáveis, por exemplo, extrapola em qualquer redução do risco de complicações graves da gripe, tais como hospitalizações ou mortes entre os idosos.

"Para a maioria das pessoas e possivelmente a maioria dos médicos, os funcionários só precisam reivindicar que as vacinas salvam vidas, e supõe-se que deve haver uma pesquisa sólida por trás dele", diz Doshi. Infelizmente, esse não é o caso, diz ele.

Embora o CDC implica que as vacinas contra a gripe são seguras e não há necessidade de pesar os benefícios contra o risco, Doshi discorda. Ele aponta para um estudo australiano descobriu que uma em cada 110 crianças menores de cinco anos de idade teve convulsões, após a vacinação em 2009 para a gripe H1N1. Investigações adicionais verificaram que a vacina H1N1 também foi associada com um aumento nos casos de narcolepsia entre os adolescentes.

As preocupações de Doshi ecoam as do Dr. Russell Blaylock, um neurocirurgião e autor de "O Relatório de Bem-Estar Blaylock", que levanta profundas preocupações sobre a segurança e eficácia da vacina contra a gripe.

Não é só a vacina não é segura, Dr. Blaylock diz à Newsmax Health, como também não funciona. "A vacina é completamente inútil, e o governo sabe disso", diz ele. "Há três razões que o governo diz aos idosos porque eles devem receber vacinas contra a gripe: pneumonia secundária, hospitalização e morte. No entanto, um estudo realizado pelo grupo Cochrane estudou centenas de milhares de pessoas e descobriu que a vacina oferecia proteção zero para essas três coisas. Ela ofereceu pessoas em casas de repouso alguma imunidade contra a gripe - na melhor das hipóteses um terço - mas que foi somente se eles escolheram a vacina certa."

Um estudo divulgado em fevereiro descobriu que a vacina contra a gripe foi apenas 9 por cento eficaz na proteção de idosos contra a gripe mais virulenta da temporada 2012-2013.

O que é ainda pior é que as crianças pequenas que recebem a vacina contra a gripe não obtêm proteção contra a doença. "O governo também diz que todos os bebês com idade superior a seis meses devem receber a vacina, e eles sabem que ela contém uma dose de mercúrio, que é tóxica para o cérebro," diz oDr. Blaylock. "Eles também sabem que os estudos têm mostrado que a vacina da gripe tem ZERO eficácia em crianças menores de cinco anos."

Para a maioria das pessoas, diz o Dr. Blaylock, as vacinas contra a gripe não previnem a gripe, mas na verdade aumentam as chances de pegar a gripe. O mercúrio contido nas vacinas é um forte depressor imunológico que a vacina contra a gripe suprime a imunidade por várias semanas. "Isso faz com que as pessoas altamente susceptíveis contraiam a gripe", diz ele. "Eles podem até pensar que a vacina lhes deu a gripe, mas isso não é verdade - ela deprimiu seu sistema imunológico e em seguida eles pegaram a gripe."

Mercúrio super-estimula o cérebro durante vários anos, diz Dr. Blaylock, e que esta ativação é a causa da doença de Alzheimer e outras doenças degenerativas. Um estudo descobriu que aqueles que recebem a vacina contra a gripe de três a cinco anos aumentam o risco da doença de Alzheimer em 10 (DEZ!!!) vezes.

Doshi afirma que a gripe é um caso de "mercantilização da doença", em um esforço para expandir mercados. Ele aponta para o fato das mortes por gripe ter diminuido drasticamente durante o meio do século 20, muito antes das grandes campanhas de vacinação começarem no século 21.

Por que as empresas farmacêuticas colocam tanta pressão para a vacinação contra a gripe? "É tudo pelo dinheiro", diz o Dr. Blaylock. "As vacinas são o sonho de toda empresa farmacêutica. Elas têm um produto que tanto o governo quanto a mídia vai ajudá-los a vender, e uma vez que as vacinas são protegidas legalmente, elas não podem ser processadas se alguém tiver uma complicação por causa da vacina."

O artigo de Doshi "é um sopro de ar fresco", diz o Dr. Blaylock. "Este artigo expõe em termos bem definidos e articulados o que tem sido conhecido por muito tempo - que a promoção da vacina contra a gripe é uma fraude".

"Aqui está a conclusão", diz o Dr. Blaylock. "O grande número de pessoas que recebe a vacina contra a gripe não vai obter qualquer benefício, mas eles terão todos os riscos e complicações."

Fontes:
- News Max Health: Johns Hopkins Scientist Slams Flu Vaccine
- [ESTUDO] BMJ: Influenza: marketing vaccine by marketing disease

Um comentário:

  1. Caro Delcio, isso não e nenhuma novidade para aqueles que são mais esclarecidos, como você e outros mais. O que acontece é que a maioria da população é pouco esclarecida acerca de muitas coisas, dentre elas, "invenções" que somente têm o condão de criar renda para os grandes capitalistas a saúde. E que renda!!!? Haja seriedade para combater tanta safadeza mundo afora. Isso não acontece somente com as vacinas contra gripe não, isso acontece com vários segmentos do mercado, tanto farmacêutico, quanto da beleza, sendo este o mais cruel, pois, são passados, todos os dias, para os consumidores incautos produtos com fórmulas mirabolantes, que em nada ajudam na melhoria da saúde estética do cidadão. Pior que isso, sabe-se que há anos os laboratórios farmacêuticos de grandes marcas criam vírus novos, bactérias novas e outros agentes nocivos à saúde humana, apenas com o fito de, em seguida, colocar no mercado produtos para supostamente defender a população desses agentes. É um estrago geral na vida da população. Mas, quem vai lutar contra essa máfia organizada e legalizada?

    ResponderExcluir

São aceitos comentários com autoria não identificada (anônimos), desde que não exponham ou citem nomes de pessoas ou instituições de formas pejorativa, caluniosa, injuriosa ou difamatória e mesmo que sejam expostos de forma subliminar ou velada.

Durante o período eleitoral, não serão publicados comentários que citem nomes de candidatos, nem de forma elogiosa, nem crítica.

Caso queira postar uma denúncia, é necessária a identificação do autor (nome completo e e-mail para contato), para que o comentário seja validado. Caso não possa se expor, envie um e-mail para a editoria (contatoitafq@yahoo.com.br), para que a denúncia seja apurada e certificarmos que há condições legais e justas para pautarmos uma postagem.

EM FASE EXPERIMENTAL: Os interessados que tiverem conta no Facebook e que não queiram seus comentários submetidos à moderação podem solicitar as suas inclusões no grupo de discussões "Filhos das Minas", ou, caso já seja participante dele, basta postar seu comentário diretamente no Facebook.