Who's amoung us?

quinta-feira, 2 de junho de 2011

QUEDAS (DE MERGULHOS E DE BRAÇOS)


Em franca queda a já baixa popularidade do governo, diante das quedas de braços do gabinete do João com os servidores e com os Sem-Terra. De tão profundo mergulho, não consigo imaginar os estragos, quando chegar ao fundo do poço. Caramba, ainda não chegou!

Com relação aos servidores, João prometeu e deveria honrar, pelo menos com eles. Como é que pode gozar do respeito deles, se na campanha, alegou valorizar e até mesmo devolver o dinheiro do Funcapi  (assista ao vídeo clicando aqui) e, mais de dois anos depois, briga na hora da revisão dos reajustes dos salários, faz nova queda de braços na Justiça para expor a lista dos servidores a pedido do sindicato, que suspeitava de funcionários fantasmas e excesso de contratados, e se nega até de expor o saldo do Funcapi. 

Já com relação aos sem-terra, complica mais. Se o prefeito desapropria a área e a entrega aos invasores, novas investidas podem tomar conta da cidade, num processo de favelização sem fim, inclusive pela atração de sem-terras de fora. Ignorar o problema deles e não ofertar nenhuma solução, também não é de bom senso, porque os responsáveis não deveriam ter deixado o problema chegar ao ponto que chegou, tanto em garantir a segurança patrimonial e pública, quanto em atender melhor à demanda de habitação popular. Principalmente se observarmos as consequências da má distribuição de renda e da especulação imobiliária, que passou a vivenciar a cidade, do governo Ronaldo Magalhães para cá, inclusive com iniciativas particulares muito bem sucedidas, de ex-secretários e ex-assessores.

Pelo visto, assistiremos muitas manifestações mais, nos próximos dias.

E cadê o Wally? Vazou! Saiu de cena, pro bem-bom, esquivou-se numa teta no governo do estado, para se safar desta e de outras responsabilidades que ele não assumiu no seu ofício, para, em 2012, surgir do País das Maravilhas, com o propósito de tentar manter tudo isso aí. Quem viver, verá!

5 comentários:

  1. Wally ressurgiu!

    Veja na Defatoonline. Segundo a reportagem, a reunião citada foi lá na cidade administrativa. Na foto, ou muito me engano, ou ele está com um crachá pendurado no pescoço.. Será que realmente virou funcionário do governo estadual? ou tal crachá é somente para nos dar a entender que trabalha na casa...

    ResponderExcluir
  2. Pessoal do Blog, o jornal O Trem de Itabira tem feito uma série maravilhosa de matérias cobrando as promessas que João Izael fez para se eleger. Um trabalho jornalístico do mais alto conteúdo. Gostaria de que vocês também fizesse isso, cobrando do prefeito item a item o que ele prometeu nas campanhas.
    Obrigado e estarei sempre ligado nesse confiável meio de comunicação que é o Blog Filhos do Cauê, que já é muito melhor do que muito jornal em Itabira. JOSÉ DO CARMO CAMPOS, estudante, rua Bráz Martins, bairro do Pará.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns ao Blog!
    Acho que os sem terra estão corretíssimos por que a prefeitura não tem projetos de habitação e se tivesse eles não seriam contemplados pelas vias normais(eles só contemplam quem vota neles). Então se não conseguem casa por bem, talvez consigam por mal(e eles não estão brincando). Quanto ao Funcapi acredito que pode estar perto de uma solução. A questão é que o relator retirou a legitimidade do Sindicato no dia 26/05/11 e este vai recorrer. POde ser que o prefeito(o pior que já tivemos, só soube cortar benefícios e achatar os salários) possa tentar fazer alguma coisa agora que o processo do funcapi foi extinto. A questão é: O prefeito vai fazer alguma coisa antes ou depois do sindicato recorrer? E se fizer estará fazendo a venda casada do RPPS? O prefeito devolverá o dinheiro todo ou parte? E os extratos vai cumprir a ordem judicial? Por isso seria extremamente urgente uma nova negociação do sindicato e a prefeitura, o que talvez resolveria de vez o problema do funcapi. Este funcapi é uma covardia, uma aberração para com o servidor.

    ResponderExcluir
  4. Curioso, quando vi a foto dos políticos na cidade administrativa tive o mesmo pensamento do primeiro comentarista e aí voltei meu pensamento a um fato ocorrido quando da 1ªvisita do Papa João Paulo II ao Basil. Houve um jantar onde somente pessoas do alto escalão da política e do clero puderam participar e evidentimente todos devidamentos "emplacados e identificados". Um jornalista bastante ousado consegui furar toda a segurança e com muita habilidade conseguiu se aproximar do religioso depois de passar por debaixo das mesas. Fez a sua matéria, fotografou com exclusividade, jantou, e depois ainda concluiu a reportagem: "naquele recinto apenas duas pessoas muito interessantes não tinha o crachá: o papa e eu".
    Então, meu amigo, seguindo a lógica do jornalista ousado, postar com crachá não é tão interessante assim !

    ResponderExcluir
  5. Para quem costuma assistir ao programa Pânico na TV, da Rede TV: lembram-se do personagem O Invasor? Ele tbém consegue chegar perto de personalidades, usando um pouco de esperteza e contando evidentemente com a sorte...
    Aí ele tira fotos, consegue autógrafos, enfim, aparece onde não deveria estar, mas consegue. Será que o Wally está trabalhando mesmo é no Pânico?
    Wally onde está vc?

    ResponderExcluir

São aceitos comentários com autoria não identificada (anônimos), desde que não exponham ou citem nomes de pessoas ou instituições de formas pejorativa, caluniosa, injuriosa ou difamatória e mesmo que sejam expostos de forma subliminar ou velada.

Durante o período eleitoral, não serão publicados comentários que citem nomes de candidatos, nem de forma elogiosa, nem crítica.

Caso queira postar uma denúncia, é necessária a identificação do autor (nome completo e e-mail para contato), para que o comentário seja validado. Caso não possa se expor, envie um e-mail para a editoria (contatoitafq@yahoo.com.br), para que a denúncia seja apurada e certificarmos que há condições legais e justas para pautarmos uma postagem.

EM FASE EXPERIMENTAL: Os interessados que tiverem conta no Facebook e que não queiram seus comentários submetidos à moderação podem solicitar as suas inclusões no grupo de discussões "Filhos das Minas", ou, caso já seja participante dele, basta postar seu comentário diretamente no Facebook.