Who's amoung us?

sexta-feira, 20 de maio de 2011

EM MEMÓRIA DO MORTO

Meu amigo Fernando Martins escreveu:
“Se eu não estiver enganado, este fundo foi criado durante o governo Olimpio (Li) Pires Guerra-PDT, para beneficiar os servidores que recebem acima do teto pago pela Previdência, servindo como complementação exclusiva para os servidores aposentados mais graúdos, arcados pelos servidores mais humildes e de menor remuneração, ou seja, obrigar quem ganha menos, completar os salários dos aposentados que ganham mais. Se confirmada minha memória, injusto, não?”
E mais à frente Fernando completou:
“Ainda ressalvando, se minha memória não falha. Que se manifestem os aqui citados, se estiver errado.”
Li está morto e não pode se manifestar. Tive a honra de ter sido seu secretário e amigo, mas reconheço que seu governo não acertou 100%, até porque isso não existe.
No entanto, a convivência foi suficiente para testemunhar o senso de justiça e seriedade do político Li e sei que ele jamais compactuaria ou permitiria a criação de um fundo para servir de “complementação exclusiva para os servidores aposentados mais graúdos, arcados pelos servidores mais humildes e de menor remuneração, ou seja, obrigar quem ganha menos, completar os salários dos aposentados que ganham mais.”
Um homem que entrou rico na Prefeitura e saiu quebrado, além de ter doado todos os seus salários às entidades beneficentes da cidade, jamais se prestaria a isso.
E só faço este reparo porque a consciência me exige e o amigo Fernando, democraticamente, antecipou no próprio texto esta possibilidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

São aceitos comentários com autoria não identificada (anônimos), desde que não exponham ou citem nomes de pessoas ou instituições de formas pejorativa, caluniosa, injuriosa ou difamatória e mesmo que sejam expostos de forma subliminar ou velada.

Durante o período eleitoral, não serão publicados comentários que citem nomes de candidatos, nem de forma elogiosa, nem crítica.

Caso queira postar uma denúncia, é necessária a identificação do autor (nome completo e e-mail para contato), para que o comentário seja validado. Caso não possa se expor, envie um e-mail para a editoria (contatoitafq@yahoo.com.br), para que a denúncia seja apurada e certificarmos que há condições legais e justas para pautarmos uma postagem.

EM FASE EXPERIMENTAL: Os interessados que tiverem conta no Facebook e que não queiram seus comentários submetidos à moderação podem solicitar as suas inclusões no grupo de discussões "Filhos das Minas", ou, caso já seja participante dele, basta postar seu comentário diretamente no Facebook.