Who's amoung us?

segunda-feira, 30 de maio de 2011

O que falta pra uns, sobra para os outros

Todos que passaram nos últimos dias pela Avenida Carlos de Paula Andrade avistaram os moradores do Bairro Drummond que estão acampados em frente a prefeitura municipal. Exigindo uma postura do poder público em relação ao problema de moradia, que já a mais de dez anos persiste em continuar para aquelas famílias que se vêem inseguras quanto a manutenção de seu lar. De um lado temos a letargia do senhor Prefeito em apresentar uma proposta diretamente para os representantes dos moradores que contemple a reivindicação de transformar o terreno ocupado em zona de interesse social. A alegação é a falta de recursos no caixa da prefeitura, para a compra do terreno, que segundo afirma a administração municipal seria de 8 milhões de reais.

Pelo outro lado, corre a boca pequena por Itabira o comentário que o nosso prefeito, João Izael, comprou recentemente uma fazenda na região por 9 milhões de reais. Aos desavisados vai a dica, o que sobra na mesa de uns, falta na de outras, esse é o Brasil e a nossa cidade.

Coincidência ou não, merece atenção e indignação de todos!


4 comentários:

  1. De acordo com o Código Nacinal das Cidades, de 2002, todo terreno, indiferente aonde esteja localizado, é de interesse social e os dentro de áreas urbanas tem de ter o uso social aplicado preferencialmente, com moradias e urbanização.
    Daí é somente o mérito da boa vontade do dr. prefeito, que já tem casa própria, em declarar aquele terreno como de utilidade pública e para a sua devida desapropriação o dinheiro da entrada já está no caixa da prefeitura, pois é sabido que a dívida ativa do IPTU de lá já passa dos R$700 mil e o restante podem ser emitidos títulos da dívida municipal e entregues à família dona do terreno.

    Quanto ao terreno que dizem por aí de sua aquisição pelo Jáo Izael é um pedaço da antiga fazenda do Capão, pertencente aos herdeiros do Zito Matozo e dizem também que basta terminar este mandato em 2912 já iniciam a construção do shopping de Itabira.

    Não é boa esta notícia com a previsão de desenvolvimento da área urbana com um portentoso centro comercial?

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, Fernando. Ontem não seria o último dia para votar na enquete? Tinha uma contagem regressiva e agora, estou vendo que haverá mais 18 dias para votar. Saudações.

    ResponderExcluir
  3. Desculpe aí, agora vi direito: faltam 17 HORAS e não DIAS, né? Como o contador de tempo é no mesmo lugar, vacilei ou "pangüei" (como dizem os jovens, êh, êh, êh). Abraço.

    ResponderExcluir
  4. Se se confirmar o que se expressou acima com relação a este terreno adquirido pelo prefeito e de suas pretensões futuras, supõe-se que o mesmo agiu dentro dos limites da razoabilidade no que se espera de um homem público: agiu dentro da lei e foi honesto adquirindo o bem de seu próprio bolso. O que seria inadmissível e perigoso é ele ter agido à margem da lei,é bom que tenhamos em mente o fato de que todo homem público quando assume o poder é obrigado pela lei a apresentar sua declaração de bens. O mesmo se espera quando ele sair que apresente sua declaração. Neste intervalo até sua saída, existe um "poder denominado legislativo", responsável direto por fiscalizar, acompanhar, monitorar, zelar pela aplicação correta do dinheiro público e pelos atos do prefeito. Não passa pela minha cabeça que os nobres edis estejam fazendo atuando a exemplo dos "avestruzes", seria o cúmulo do absurdo. Direito de adquirir bens, de acumular riquezas o prefeito tem, assim como qualquer cidadão. Aliás, de uns tempos para cá em Itabira; a "bola da vez" é essa aventura lucrativa na qual muitos vieram a reboque e tornaram-se novos milionários. Não é crime ficar rico no Brasil nem em qualquer outro lugar do planeta, mas é interessante, é imprescindível, que se conheça as fontes que geraram a tal riqueza. Certamente, dada as proporções do que estamos assistindo com todos esses eventos nos quais há sinais de prosperidade, mas também se evidenciam aqui e ali sinais de miserabilidade e discrepância façamos uma reflexão para o óbvio: até as migalhas que caiam da mesa dos abastados estão faltando para matar a fome dos ansiosos para se verem fartos.

    ResponderExcluir

São aceitos comentários com autoria não identificada (anônimos), desde que não exponham ou citem nomes de pessoas ou instituições de formas pejorativa, caluniosa, injuriosa ou difamatória e mesmo que sejam expostos de forma subliminar ou velada.

Durante o período eleitoral, não serão publicados comentários que citem nomes de candidatos, nem de forma elogiosa, nem crítica.

Caso queira postar uma denúncia, é necessária a identificação do autor (nome completo e e-mail para contato), para que o comentário seja validado. Caso não possa se expor, envie um e-mail para a editoria (contatoitafq@yahoo.com.br), para que a denúncia seja apurada e certificarmos que há condições legais e justas para pautarmos uma postagem.

EM FASE EXPERIMENTAL: Os interessados que tiverem conta no Facebook e que não queiram seus comentários submetidos à moderação podem solicitar as suas inclusões no grupo de discussões "Filhos das Minas", ou, caso já seja participante dele, basta postar seu comentário diretamente no Facebook.